Mundo não acabou mas, para místicos, entrou em novo ciclo

Para especialista, calendário maia foi mal interpretado e não havia profecia do fim do mundo -  Getty Images
Para especialista, calendário maia foi mal interpretado e não havia profecia do fim do mundo – Getty Images

Enquanto religiosos descartam a teoria apocalíptica, esotéricos veem chance para humanidade mudar os rumos do planeta

“Na verdade os maias não disseram nada disso. No dia seguinte [ao fim do calendário] , começa tudo de novo”, afirma Alberto Beuttenmüller, autor do livro “2012 – A Profecia Maia” (editora Ground). “Assim como o calendário gregoriano termina em 31 de dezembro e começa de novo em 1º de janeiro, o dos maias começou há 5.125 anos e termina em 21 de dezembro de 2012”, explica Beuttenmüller.

Enquanto a Unidos do Apocalipse recolhe suas fantasias e adereços até a próxima data cabalística, adeptos de outras doutrinas mostram para as leitoras do Delas que essa tese do fim do mundo era apenas mais uma invenção sem muita razão de ser.

Você pode ser o protagonista dessa mudança. Mas, se não fizer nada, poderá ter surpresas desagradáveis

No Budismo, por exemplo, ninguém esteve falando nos últimos dias sobre fim do mundo – pelo menos não com catástrofes e calamidades no planeta. “Essa teoria do apocalipse é completamente estranha aos ensinamentos de Buda. Trabalhamos com a ideia de ciclos que se sucedem. Tudo tem o seu surgimento, seu desenvolvimento, sua decadência e seu desaparecimento, mas imediatamente acontece o ressurgimento e um novo ciclo se inicia. Isso é algo inato a todos os fenômenos”, explica Aristides dos Santos Dias, porta-voz da mestra Miao Yen, abadessa do Templo Zu-Lai, no município de Cotia, região metropolitana de São Paulo.

Segundo ele, os ciclos são incessantes e sucessivos. “É como se o fim do mundo acontecesse a todo instante, para depois recomeçar. Em um piscar de olhos, vamos da morte ao renascimento”, exemplifica.

Para os espíritas, o fim do mundo também não era uma preocupação, definitivamente. “Não devemos nos preocupar com o fim do mundo. Somos imortais. Não sabemos o dia e a hora dos acontecimentos para que aprendamos a nos vigiar e orar constantemente”, resume Silvia Puglia, que durante nove anos foi presidente da Federação Espírita do Estado de São Paulo. Se a Terra fosse destruída hoje por um cataclisma, isso não seria um problema, segundo ela. “Há diversos planetas que circulam no espaço infinito, oferecendo morada aos espíritos encarnados ou desencarnados”, diz.

9vyga7ly1tq2kz9lormwca81z
A Nasa “desmentiu” o fim do mundo e disse que, se a Terra estivesse em rota de colisão com outro planeta, ele já seria visível nos céus a olho nu – Getty Images

No entanto, se o fim do mundo se mostrou uma tese furada, muita gente ainda acredita em mudanças profundas na humanidade e no início de uma nova era, diferente da que está terminando. A taróloga Silvana Martins conta que 2013 será um ano regido pelo arcano da Morte, mas que isso não implica fim. “Quando essa carta aparece no jogo, significa que há uma grande oportunidade para transformações. Você pode ser o protagonista dessa mudança. Mas, se não fizer nada, a Morte fará do jeito dela, o que pode resultar em surpresas desagradáveis”, anuncia.

Silvana, que presta consultoria por meio de seu site , diz que as pessoas estão vivendo um apocalipse interno, e que isso precisa mudar. “Hoje em dia todo mundo come mal, dorme mal, sofre com muitas doenças e tem comportamentos condenáveis. Esta é a hora de dar um jeito e deixar isso para trás”, finaliza.

A sacerdotisa xamânica Ana Vitória Monteiro, do Centro de Expansão da Consciência Porta do Sol, pensa de maneira semelhante. “Acredito que estamos vivendo um grande processo de mudanças por toda parte, no clima, na consciência e nos hábitos culturais. O final de uma história é começo de outra, mais inteligente, priorizando a qualidade de vida. O ser humano tem vocação para ser feliz, e esta violência toda precisa acabar. Não tem nada de bonito ver a guerra ao vivo, sentado na poltrona de casa. Esta é a hora de fazer alguma coisa”, alerta.

Não tem nada de bonito ver a guerra ao vivo, sentado na poltrona de casa. Esta é a hora de fazer alguma coisa

Outra adepta dessa linha é a astróloga Monica Horta, colunista do Delas . Segunda ela, há muitas tensões no céu neste momento, o que faz com que o dia hoje seja movimentado, mas não catastrófico. “Por conta das posições do Sol, da Lua, de Plutão de Urano, teremos gente que vai chutar o pau da barraca. Mas essas pessoas já iam fazer isso do mesmo jeito com ou sem o fim do mundo. Já as pessoas mais sensatas vão refletir sobre a crise, procurar novos caminhos, descobrir novas ideologias ou tirar alguma meio empoeirada da gaveta”, avisa.

Segundo ela, 2013 vai ser um ano de muito amor e reflexão, mas também de conflitos violentos. “Teremos uma presença forte e harmoniosa dos signos e dos planetas que falam de amor e sensibilidade em contraste com uma fortíssima tensão entre planetas que estão ligados aos conflitos e às guerras. 2013 vai ser regido por Saturno e isso significa que vai ser preciso pensar. A energia do planeta regente atua com um pano de fundo para a maneira como encaramos os acontecimentos importantes do ano. No ano que se inicia, todos seremos obrigados a repensar e redefinir qual é o nosso real padrão de necessidade, porque esse é o tema fundamental de Saturno. Dito de outra forma: do que é que nós realmente precisamos para nos sentirmos seguros?”

>>> Para os moradores de Alto Paraíso, o erro da profecia maia deve ter sido uma grande decepção. Leia sobre o município que recebeu milhares de pessoas à espera do fim do mundo 

Kike Martins da Costa – iG São Paulo

Comentários