Acre deverá começar a exportar suínos e aves

O Estado do Acre deverá ter, dentro de 60 dias, seu status sanitário elevado para Zona Livre de Peste Suína Clássica e, com isso, obter habilitação pelo Ministério da Agricultura para exportar suínos já a partir de 2014. Esse foi um dos principais resultados da reunião articulada nesta quinta-feira pelo senador Aníbal Diniz (PT-AC) e pelo vice-presidente do Senado, senador Jorge Viana (PT-AC), entre o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, José Alves Vaz, e o presidente do Instituto de Defesa Animal do Acre (IDAF), Jeferson Cogo; o coordenador do programa estadual de sanidade suídea, José Barbosa Diógenes; o sócio-diretor do frigorífico de aves Acreaves, Alder Cruz, e o sócio-diretor do frigorífico Dom Porquito S/A, Paulo Santoyo, ambos do Acre. “Nessa reunião tratamos de assuntos da máxima importância para o futuro da suinocultura e a avicultura do Acre”, afirmou o senador Aníbal Diniz.

Os empresários solicitaram celeridade na apreciação da documentação encaminhada ao Ministério da Agricultura para a implantação do SIF (Serviço de Inspeção Federal) no frigorífico de suínos que está em fase de projeto e implantação na região do Alto Acre, um dos mais importantes investimentos da economia acreana dos últimos anos.

Pela norma brasileira, toda e qualquer exportação de animais vivos ou produtos de origem animal é submetida ao cumprimento de requisitos regulamentados pelo Ministério da Agricultura. Assim, uma empresa interessada no mercado de exportação deve, primeiramente, obter registro do estabelecimento no Serviço de Inspeção Federal. “As questões sanitárias são muito importantes e se não forem superadas impedem as exportações”, destacou o senador Jorge Viana.

Segundo Paulo Eduardo Santoyo, a atuação e a liderança dos parlamentares foi fundamental no agendamento da reunião e nos resultados obtidos no Ministério da Agricultura. “Nós viemos a Brasília com o objetivo de conseguir a habilitação do Acre para exportação de suínos pelo complexo destinado especialmente para este fim que está sendo desenvolvido pelo governo de Tião Viana em parceria com a iniciativa privada. A atuação dos senadores foi essencial para que essa reunião acontecesse e tivesse resultados concretos. A habilitação do Acre para a exportação tem um impacto enorme em nossa economia”, afirmou Paulo Eduardo Santoyo, do frigorífico Dom Porquito S/A.

JV_AD

A expectativa é começar a abater os suínos em março de 2014 e iniciar as exportações no mês seguinte, em abril. “Estamos falando de um volume em torno de 400 animais, o equivalente a 40 toneladas por dia, para a Bolívia, Peru, Equador e Venezuela”, disse Paulo Santoyo.

A exportação dos suínos deve gerar um faturamento anual de aproximadamente R$ 120 milhões e permitir a criação de mais de 600 empregos diretos na região Alto Acre, além de proporcionar a inclusão de mais de cem produtores rurais ligados à agricultura familiar.

“Esse é um mercado importante: a Bolívia consumiu, em 2011, 36 milhões de quilos de carne de porco. E o consumo brasileiro vem crescendo expressivamente. Hoje, o consumo nacional está em cerca de 15 kg por habitante, por ano”, afirmou o senador Aníbal.

Aves – O grupo de empresários solicitou ainda a inclusão do Acre no programa de monitoramento nacional de aves realizado pel o Ministério da Agricultura. Eles afirmaram que o cadastro de estabelecimentos avícolas está concluído e pediram autorização para a realização de inquérito epidemiológico, de modo que o Acre possa receber o status de zona livre de Newcastle (doença que afeta aves domésticas e selvagens) e de Influenza Aviária.

O objetivo é incluir os frigoríficos de Aves do Estado no SIF (Serviço de Inspeção Federal) e também habilitá-los para a exportação.

Assessoria

Comentários