Acre registra redução de 28% nos casos de malária

Secretária de Saúde, Suley Melo, apresenta redução do número de casos de malária para o governador Tião Viana (Foto: Sérgio Vale/Secom)
Secretária de Saúde, Suley Melo, apresenta redução do número de casos de malária para o governador Tião Viana (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O registro se mostra ainda mais positivo porque, de acordo com Izanelda Magalhães, este é um período sazonal da doença. “Isso significa dizer que, geralmente nesse período, o mais comum é registrar acréscimos de casos de malária na Amazônia, mas o Acre está se destacando por apresentar um índice de queda nos casos”, acrescenta Izanelda.

Fatores determinantes na redução da doença

Entre os fatores que resultam na redução de casos, a gerente da Vigilância em Saúde da Sesacre destaca o diagnóstico mais precoce da região amazônica. Isso permitiu que 80% dos casos fossem diagnosticados antes dos sintomas e o paciente recebesse tratamento médico correto.

“Além disso, temos uma busca ativa extremamente importante. Realizamos cerca de 500 mil exames para detecção da doença anualmente, sendo que 90% dos exames são realizados na região do Vale do Juruá, que compreende Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima, municípios que apresentam maior incidência de casos no Acre”, complementa Magalhães.

Outro fator importante para a redução de casos da doença é a entrega de mosquiteiros impregnados, classificados como a proteção individual mais potente no controle da malária no Acre, iniciada em 2007 com apoio do então senador Tião Viana e que passou a ser adotada também pelo Ministério da Saúde em outras regiões do Brasil.

Em todo o Acre, o governo registra a distribuição de 65 mil mosquiteiros impregnados, contemplando famílias de 12 municípios. A maioria desses mosquiteiros foi distribuída em Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima. “Somente em Cruzeiro do Sul foram  34 mil. Estamos colhendo frutos importantes graças ao uso dessas proteções”, observa a gerente de Vigilância em Saúde.

O governo do Estado segue também investindo em contratação de servidores para atuar como agente de endemias, compra de equipamentos e insumos para combater a doença em todo o Estado. “Esse suporte do governo é muito importante para que possamos manter o trabalho de vigilância em saúde nas regiões onde há maior incidência da doença”, conclui Izanelda.

Comentários