Ameaça de escassez de arroz no mercado

DEPOIS DO FEIJÃO, AGORA É O ARROZ QUE COMEÇA A FALTAR NA MESA DO CONSUMIDOR E O PREÇO SOBE 29%

Por Tião Maia – Produto indispensável à mesa do brasileiro, o arroz nosso de cada dia, assim como o feijão, que no primeiro semestre do ano bateu recorde de preço e praticamente sumiu das prateleiras, também já apresenta um cenário de baixa oferta no mercado acreano, principalmente na capital. Em função disso, o produto já apresenta uma majoração de preços da ordem de 20 por cento acima do que era praticado em janeiro deste ano.

Adem Araújo é o presidente em exercício da Associação dos Supermercados do Acre – Foto Divulgação
Adem Araújo é o presidente em exercício da Associação dos Supermercados do Acre – Foto Divulgação

Um exemplo: o pacote do arroz “Brilhante” de 5 kg, que em janeiro de 2016 era vendido na praça de Rio Branco a R$ 13,65, custa agora em agosto R$ 16,45 – um aumento de 20 por cento, que pode chegar até a 30 por cento no final do mês de setembro, segundo o presidente em exercício da Associação dos Supermercados do Acre (Asa), Adém Araújo.  Outras marcas menos nobres, que eram vendidas em Rio Branco em janeiro deste ano a R$ 11,00 o pacote de 5Kg, chegaram a R$ 15,00. De todas as marcas, a mais cara é a “Tio Urbano”, cujo pacote de 5 kg não sai por menos de R$ 17, 44.

O presidente da Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agrícolas do Acre (Acisa), Celestino Bento de Oliveira, também manifestou preocupação com a ameaça de baixa oferta do produto nos mercados, assim como ocorreu com o feijão. Por conta da escassez, nos primeiros meses do ano, o preço do feijão ultrapassou o valor do café.

Dados do Instituto Brasileiro do Feijão (Ibrafe) mostraram que, pela primeira vez na história do país, a saca de feijão bateu o café. A saca de feijão com 60 kg chegou a custar R$ 550 em alguns estados, enquanto a de café ficou na casa dos R$ 480. A previsão para que o mercado do feijão venha a ser estabilizado é para fevereiro de 2017, segundo o presidente do Ibrafe, Marcelo Eduardo Lüders. Para o arroz, não há previsão de estabilidade, principalmente em relação ao Acre.

O mais grave é que, em relação ao Acre, segundo o secretário de Agricultura e Pecuária (Seap), José Carlos dos Reis, o arroz consumido no Estado é praticamente todo importado, principalmente dos estados do Centro-Sul. De acordo com Reis, além de não ter tradição no plantio, a cultura do arroz chega a dar prejuízo ao produtor. “Quando um agricultor local planta o arroz, o quilo do produto final chega a sair mais barato no mercado do que os investimentos feitos pelo produtor”, disse José Reis.

Celestino Bento preside a Associação Comercial do Acre (Acisa)
Celestino Bento preside a Associação Comercial do Acre (Acisa)

Foi o caso, por exemplo, do produtor Mário Maffi, de Epitaciolândia, no Alto Acre. Na safra do ano passado, ele plantou 60 hectares de arroz. “A produção foi boa, deu um arroz bonito até, mas na hora de vender o preço foi um desastre”, disse o produtor. Ele desistiu de plantar o produto.

Safra deste ano será 15% menor que a do ano passado     

Os baixos índices de preço são um dos sinais da escassez do arroz ou da baixa oferta do produto no país. Os outros sinais são o de seca em vários estados produtores ou de cheias no Rio Grande do Sul, o campeão da produção de arroz no Brasil.

Os indicativos das análises de mercado mostram que a safra 2015/2016 será 15,3% menor que a do ano passado. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o preço do arroz já chegou a R$ 59,12 a saca de 60 quilos em Mato Grosso, valorização semanal de 3,5%. No Rio Grande do Sul não é diferente: o preço do arroz com casca está cotado, em média, a R$ 49,55 a saca de 50 quilos.

Plantação-de-arroz-no-Tocantins-500

Diante da escassez do grão, provocada especialmente pela quebra de safra no Rio Grande do Sul, a expectativa é que aumente as importações de arroz vindas do Paraguai e da Argentina. Medida necessária para atender à crescente demanda do consumidor brasileiro que, segundo dados da Conab, absorve mais de 11 milhões de toneladas a cada safra.

O cenário de baixa oferta não deve mudar na temporada 2016/2017. Endividados, os arrozeiros do Rio Grande do Sul, Estado responsável por 70% da produção nacional, vão reduzir os investimentos na próxima safra.

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) aponta que vão ser semeados apenas 1,5 milhão de hectares, redução de cerca de 500 mil hectares, a menor intenção de plantio dos últimos 10 anos. Segundo o levantamento de estimativa de safra da Conab, divulgado no último dia 9 de agosto, a produção de arroz 2015/2016 sofreu queda de 15,3%, fechando com um pouco mais de 10 milhões de toneladas e produtividade média 2,9% menor.

 

Comentários