BID avalia positivamente resultados do Programa de Desenvolvimento do Acre

Tatiana Campos

O governador Tião Viana comentou alguns dos projetos em desenvolvimento no Acre (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
O governador Tião Viana comentou alguns dos projetos em desenvolvimento no Acre (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

Uma política ambiental desenvolvida em harmonia com o desenvolvimento econômico e respeito às populações tradicionais. Esta equação, que vem sendo desenvolvida no Acre há mais de uma década, nem sempre foi fácil de resolver, mas tem merecido o reconhecimento de mecanismos internacionais como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Uma equipe do BID, liderada pelo gerente-geral do Departamento de Países do Cone Sul, José Luís Lupo, está no Acre para visitar algumas iniciativas acreanas e negociar a segunda fase do contrato do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre (PDSAII), no valor de US$ 72 milhões.

Segundo o secretário de Planejamento, Márcio Veríssimo, a meta do governo do Estado é aumentar para 6% a participação do setor florestal na composição do Produto Interno Bruto (PIB) do Acre, envolvendo 60 mil famílias nesse processo.

Segundo o secretário de Planejamento, Márcio Veríssimo, a meta do governo do Estado é aumentar para 6% a participação do setor florestal na composição do PIB acreano (Foto: Arison Jardim/Secom)
Segundo o secretário de Planejamento, Márcio Veríssimo, a meta do governo do Estado é aumentar para 6% a participação do setor florestal na composição do PIB acreano (Foto: Arison Jardim/Secom)

 

“Eu fiquei surpreendido. Estamos impressionados com tudo que aconteceu nos últimos 15 anos no Acre e com os planos que o Estado tem para médio e longo prazos. A estratégia do BID no Brasil é focada no Nordeste e no Norte. No Nordeste temos uma expressividade, mas no Norte estamos em busca de uma parceria forte, de uma aliança, e o Acre tem tudo para preencher esse papel, pois tudo o que tem sido feito aqui é exatamente o eixo estratégico de desenvolvimento do BID”, disse Lupo.

O governador Tião Viana comentou alguns dos projetos em desenvolvimento no Acre e explicou que os fundamentos de um projeto de Estado é oferecer qualidade de vida a partir de uma economia de base florestal e sustentabilidade ambiental. “Aqui é um principio sagrado conservar os recursos naturais. Nosso desafio é consolidar a economia acreana de forma a garantir a emancipação econômica do Estado”, comentou.

Bandeira que é sempre levantada pelo governador Tião Viana é o fortalecimento econômico das regiões de fronteira do Peru e Bolívia. “São os dois maiores produtores de cocaína do mundo, mas se o governo tiver opção de uma economia solidária, ele consegue tirar as pessoas que trabalham com a coca e trazer para outro negócio. Depende de investimento, e alguns milhões de reais resolveriam isso. Precisamos ajudar porque a redução da produção de droga vai beneficiar o mundo inteiro”, defendeu Tião Viana.

A equipe do BID, composta também por José  Seligmann (coordenador de Países), Daniela Carrera (representante do BID no Brasil) e Fabiano Bastos (economista regional), conheceu os investimentos do governo do Acre na gestão de Tião Viana e alguns projetos que têm dado resultados positivos, como a Fábrica de Preservativos de Xapuri e o Complexo Industrial.

Avanços e desafios

Um investimento de US$ 72 milhões, com US$ 48 milhões de contrapartida do Estado, irá financiar o Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre em sua segunda fase (PDSAII).

A equipe do BID conheceu os investimentos do governo do Acre que têm dado resultados positivos, como a Fábrica de Preservativos de Xapuri (Foto: Arquivo Secom)
A equipe do BID conheceu os investimentos do governo do Acre que têm dado resultados positivos, como a Fábrica de Preservativos de Xapuri (Foto: Arquivo Secom)

O PDSA fase I, executado no período de 2002 a 2010, alcançou resultados positivos nos três objetivos específicos: modernizar a capacidade da gestão ambiental do Estado e assegurar o uso eficiente dos recursos naturais, aumentar a taxa de crescimento do setor silvo-agropecuário e gerar emprego, reduzir os custos de transporte e aumentar o acesso à eletrificação rural no Acre.

O objetivo geral do programa foi de melhorar a qualidade de vida da população e preservar o patrimônio natural do Estado do Acre em longo prazo.

No total, o PDSA II investirá US$ 120 milhões nos próximos cinco anos, dos quais R$ 37 milhões no setor florestal e 55 milhões no fomento às cadeias de valor agroflorestais. A proposta é de consolidar a expansão da economia florestal do Acre, promovendo o aumento da produtividade, da competitividade e da competência, e induzir um ambiente de negócios com inclusão social.

Por meio do programa serão ampliadas as áreas de florestas públicas e as concessões florestais para manejo, além do melhoramento de ramais para escoamento da produção, da promoção de cadeias de valor e do fortalecimento da gestão pública florestal e agroflorestal.

Comentários