Brasil não deve cumprir meta de destinação adequada do lixo

Lixão municipal de Angra dos Reis (RJ) O Globo / Gabriel de Paiva/22.04.2013
Lixão municipal de Angra dos Reis (RJ) O Globo / Gabriel de Paiva/22.04.2013

Estudo projeta taxa de 40% de resíduos sem tratamento em 2014

oglobo

RIO – O Brasil vai chegar a agosto de 2014 — prazo para que todos os municípios brasileiros se adequem e passem a coletar e dar destino adequado a 100% do lixo que produzem — com 40% de resíduos sólidos sem destinação adequada, caso se mantenha o nível atual de investimentos na coleta e tratamento. E apenas em 2020, também mantido o nível atual, todos os municípios chegariam a 100% de coleta. As projeções são parte da 10ª edição do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, divulgado nesta segunda-feira pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), baseado em dados enviados pelos municípios à entidade.

A pesquisa aponta, ainda, que mais de 3 mil municípios jogam seu lixo em destinos inadequados: são quase 24 milhões de toneladas que vão para lixões e para os chamados aterros controlados, terrenos que não oferecem condições sanitárias adequadas. E, de 2011 para 2012, caiu apenas 2% o número de cidades que jogam o lixo que produzem em lixões, a pior forma de destinação para resíduos sólidos.

Em 2012, 2.213 cidades, ou 40% do total, destinavam o lixo a aterros sanitários, enquanto 28% mandavam para lixões e 32% para aterros controlados. Quanto à coleta, em 2003, primeiro ano da pesquisa, mais de 80% do lixo eram coletados; em 2012, a cobertura foi para mais de 90%. Mas só em 2020 ela se universalizaria.

O motivo principal para, segundo a projeção da Abrelpe, o país não conseguir atender as metas da Política Nacional de Resíduos é a situação das cidades de menor porte, diz o diretor-executivo da entidade, Carlos Silva Filho. Das mais de três mil cidades que enviaram lixo a destinos inadequados em 2012, mais da metade delas têm menos de dez mil habitantes, afirma.

— O que melhorou nesse setor foi puxado pela melhora das grandes cidades, que conseguiram investir em ampliação da coleta e implantação de coleta seletiva. Mas as cidades menores sofrem com falta de recursos e até de pessoal. E o tema do lixo não é prioritário na sua agenda — diz o diretor-executivo da associação, destacando que o que é investido hoje pelos municípios para serviços de limpeza urbana, média mensal de R$ 11 por habitante, seria insuficiente.

— Na comparação entre as regiões, o Nordeste tem a pior cobertura de coleta. E, mesmo se, percentualmente, o Centro-Oeste dá destinação inadequada a um percentual superior, como o Nordeste produz um volume maior de lixo, ele também é pior nesse quesito.

No Nordeste, 77% do lixo é coletado; desse total, 65% vão para lixões ou aterros controlados. O Sudeste, com a melhor cobertura, coleta 97% do lixo; desses, 28% vão para lixões ou aterros controlados.

Apesar do quadro problemático, pela primeira vez o percentual de lixo com destinação adequada é maior que aquele com destinação imprópria ou que nem chegou a ser coletado.

— Em 2011, eram cerca de 31 milhões de toneladas de lixo não coletado ou com destino inadequado, contra 30 milhões de toneladas com destino adequado. Em 2012, pela primeira vez virou, com 32 milhões de toneladas com destino adequado. Em 2003, 60% do lixo tinham destino inadequado ou nem era coletado, contra 40% com destino adequado. Em 2012, 60% passaram a ter destino adequado.

Comentários