Colonos arriscam suas vidas fazendo ligações em rede elétricas nos ramais

Colonos arriscam suas vidas fazendo ligações em rede elétricas nos ramais

Casos de morte e queimaduras de alto grau já foram registrados no MP e delegacia

Colonos estão arriscando suas vidas ao tentar ligar a rede eletríca com mais de 20 volts, além de ser ilegal - Fotos: Alexandre Lima
Colonos estão arriscando suas vidas ao tentar ligar a rede eletríca com mais de 20 mil volts, além de ser ilegal – Fotos: Alexandre Lima

Alexandre Lima

Na tentativa de fazer com a energia elétrica chegue até suas casa, muitos colonos que vivem em ramais das cidades de Brasiléia e Epitaciolândia, estão colocando suas vidas em risco ao lidar com rede de alta tensão que chega a 22 mil volts, podendo facilmente matar uma pessoas em segundos.

Até mesmo cabos de aço estão sendo usados para que a chave não solte, mas pode afetar cidades inteiras - Foto: Aexandre Lima
Até mesmo cabos de aço estão sendo usados para que a chave não solte, mas pode afetar cidades inteiras – Foto: Alexandre Lima

Funcionários da Eletroacre, (leia-se Eletrobrás), estiveram percorrendo os ramais das cidades de Brasiléia e Epitaciolândia, onde possuem cerca de 1300 transformadores que levam energia do projeto federal Luz Do Povo e constataram dados alarmantes que já chegou ao promotor de justiça substituto de Brasileia, Teotônio Rodrigues Soares Júnior, e às delegacias.

Segundo o funcionário, somente nesta quinta-feira, dia 10, foram encontrados várias formas e meios, que os colonos encontraram para fazer com que a chave nos postes não caiam, interrompendo o fornecimento da energia no ramal e sua casa. Estão usando cabo de aço, fio de freio para bicicletas, alça de panelas de alumínio e pedaços de fios de vários tamanhos.

Os meios são muitos. Usando uma vara enrolada com câmara de borracha de bicicleta, pensam que estão seguros de levarem um choque, e travam as chaves que são programadas para soltar, caso algum galho caia na rede impedindo curtos-circuitos em todos o ramal e até mesmo, na cidade.

Foi relatado que num desses casos, aconteceu na morte de um funcionário da empresa terceirizada que tentava retirar uma dessas “travas”, morreu eletrocutado quando um colono resolveu ligar a rede em outro ponto.

Existe relato de colonos que tiveram mais sorte em ramais da Estrada do Pacífico (BR 317), que deram entrada no pronto socorro com o corpo seriamente queimado. Num dos casos, (inocente ou com tremenda cara-de-pau) uma das vítimas se deslocou até o escritório para pedir que a Eletroacre pagasse pelo medicamento.

O gerente denunciou o caso às autoridades e o colono está respondendo processo pela prática ilegal da profissão, furto de energia, além de colocar sua própria vida em risco. Os outros casos também estão sendo analisados e pede que não façam mais esse tipo de ligação.

Segundo o funcionário, disse que foi aumentado as equipes que estão cortando os galhos que alcançam os fios nos ramais, além de mais dois carros, somando quatro para agilizar o atendimento e implantação de chaves triplas automáticas, que irão oferecer mais segurança impedindo que a rede caia com frequência.

Um número de celular está disponível 24 horas (9965-2043), para que os colonos comuniquem esses tipos de problemas quando aparecerem na regional do Alto Acre. Os funcionários estão devidamente equipados com roupas anti-chamas, varas, botas e luvas que suportam cargas acima de 22 mil volts para esse tipo de trabalho.

Cabos de bicicletas e outros tipos de fios que foram retirados somente nesta quinta, dia 10 - Foto: Alexandre Lima
Cabos de bicicletas e outros tipos de fios que foram retirados somente nesta quinta, dia 10 – Foto: Alexandre Lima
Cabos de bicicletas e outros tipos de fios que foram retirados somente nesta quinta, dia 10 - Foto: Alexandre Lima
Cabos e outros tipos de fios que foram retirados somente nesta quinta, dia 10 – Foto: Alexandre Lima

 

Comentários