Corrida ao Palácio Rio Branco tem nomes para todos ao gostos

PALÁCIO RIO BRANCO

A declaração do prefeito de Cruzeiro do Sul de que seria candidato a governador no ano que vem, surpreendeu até mesmo os aliados mais próximos dentro do PMDB. A deputada Antônia Sales(PMDB), mulher do prefeito, disse que não esperava que o marido se declarasse candidato, ainda mais durante um evento no qual o partido anunciaria uma aliança com o PSDB, que tem planos para uma chapa majoritária.

“Foi no calor da discussão, começou com o nosso ex-deputado federal João Corrêa oferecendo seu nome para ser candidato ao governo, e aí também surgiu o do Wagner. Quando ele deu o nome todas os membros das executivas dos vinte e dois municípios que estavam presentes ovacionaram como sendo o nome que representaria o PMDB”, afirmou Antônia Sales

A direção do PMDB não contesta a candidatura de Vagner Sales, e acredita que o prefeito do segundo município mais populoso do estado não levará a candidatura até a data da eleição. Para o deputado Chagas Romão(PMDB), que integra a direção do partido, Wagner Sales abrirá mão da disputa se algum outro nome da oposição estiver melhor colocado nas pesquisas.

“Se for favorável a outro companheiro desses que estão aí, eu tenho certeza que Wagner também é um companheiro de consenso e não será nenhum problema. Nós temos que sair é com uma candidatura única”, avalia o deputado Chagas Romão(PMDB)

O PSDB já contava com o apoio do PMDB para a futura candidatura de Márcio Bittar ao governo. Com Vagner Sales declarando que também vai ser candidato a governador os planos do PSDB devem mudar. Ainda assim os tucanos acreditam que até a data da eleição os partidos chegarão no consenso de uma candidatura única, melhor ainda se for a do PSDB.

“O PMDB tem todo o direito de colocar o nome do Wagner, e eu acho que é mais uma oportunidade para que nós possamos sentar à mesa e discutir essas candidaturas”, declara o deputado Wherles Rocha(PSDB), líder do PSDB na ALEAC.

Mas enquanto alguns partidos de oposição pregam o discurso de unidade e falam em candidatura única do bloco, só aumenta o número de pré-candidatos ao governo pela oposição, até agora já são quatro: Márcio Bittar(PSDB), Tião Bocalom (DEM), Sérgio Petecão (PSD)e Wagner Sales(PMDB).

Até mesmo na Frente Popular, que sempre foi sinônimo de unidade política, já são dois pré-candidatos ao governo: o atual governador Tião Viana(PT), e o deputado federal Henrique Afonso(PV).

Na Assembleia Legislativa, onde a eleição do ano que vem já é assunto de reuniões e conversas de bastidores, o líder do PT, deputado Geraldo Pereira não discute sobre as divisões dentro da Frente Popular. Para ele a prioridade do partido é continuar trabalhando para fazer um bom governo.

“ A oposição que faça o seu papel, que escolha seus candidatos, Nós do PT estamos cuidando da gestão do governador Tião Viana e nos preparando para uma reeleição”, afirma Geraldo Pereira(PT).

Comentários