Depasa cobra 10 anos de contas deixadas por Leila Galvão na Justiça

Contas foram acumuladas desde 2002 até 2012 e ex-prefeita Leila Galvão sequer negociou

Alexandre Lima

Ao contrário do que vinha anunciando até o último dia de sua gestão, a ex-prefeita petista da cidade de Brasiléia, Leila Galvão, não deixou sua administração em dia para o seu sucessor, conforme diz o processo nº 0001962-31.2012.8.01.0003 que tramita na Justiça, em forma de cobrança.

Desde o dia 26 de outubro de 2012, quinze dias após os resultados da eleição, o DEPASA – Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento, extinta Sanacre e Deas, impetrou uma cobrança de R$ 289.957,75 contra a Prefeitura referentes aos exercícios de setembro de 2002 à agosto de 2012, conforme planilhas de cálculos do órgão.

Débito de R$ 289.957,75 contra a Prefeitura são referentes aos exercícios de setembro de 2002 à agosto de 2012 - Foto: Arquivo
Débito de R$ 289.957,75 contra a Prefeitura são referentes aos exercícios de setembro de 2002 à agosto de 2012 deixados pela ex-prefeita Leila Galvão – Foto: Arquivo

Segundo a ação, o Depasa tentou por diversas vezes, oportunizar formas para que o Município regularizasse seus débitos através de documentos protocolizados, mas, sequer houve manifestação por parte da ex-prefeita e sua equipe.

A atual gestão que foi pega de surpresa, tenta negociar a dívida através de seu setor jurídico para que não ocorra sua execução fiscal via Dívida Ativa da Fazenda Pública e não sofra sanções futuras.

No processo de 17 páginas, o Depasa discrimina que a Prefeitura conta com dotação orçamentária para que sane o débito, caso não, Everaldo Gomes pode assumir a conta e ser penalizado por crime de responsabilidade do gestor público.

Mesmo sendo procurado meios legais por parte do Depasa proveniente das faturas, nunca conseguiu receber. Deixando a entender que a ex-prefeita Leila Galvão não pagou a conta por que não quis, pois esteve administrando o Município pelos 10 anos passados.

Foi feito pedido para que o pagamento seja executado num prazo de 30 dias sem que aja defesa, e antecipadamente, já protestam alegando que existe provas suficientes para que não neguem o débito existente.

Comentários