Deputados do PT se negam em votar a favor de pedido de Sebastião Viana na Aleac contra Major Rocha

Pela primeira vez nas administrações petistas, deputados do Partido dos Trabalhadores (PT) se negam em votar a favor do Governo do Acre. Os parlamentares do PT se abstiveram e abandonaram o plenário da Aleac, na sessão ordinária de terça-feira (10), para não votar pelo pedido de liberação da Casa, formulado Poder Executivo, através do Ministério Público estadual (MPE), para processar o deputado Major Rocha (PSDB) por motim.

O deputado estadual era acusado de liderar um movimento grevista da Polícia Militar do Acre, em maior de 2011, que teve a duração de dois dias. A greve dos policiais militares foi considerada como um motim pelo governo que acionou o MP. Major Rocha afirma que a ideia seria torna-lo inelegível com uma condenação no TJ Acre. “Através do Tribunal de Justiça, o governo conseguiria a condenação. Disso eu tenho certeza”.

Os petistas Ney Amorim, Geraldo Pereira e Jonas Lima não cederam a pressão da administração de Sebastião Viana (PT). O decreto legislativo foi rejeitado por 16 votos contrários. Rocha se absteve da votação juntamente com os parlamentares do Partido dos Trabalhadores. A tese do parlamentar tucano era que “o Governo do Acre tentou fazer uma condenação sumária. Se passa fatalmente eu seria condenado no TJ Acre”, diz Rocha.

O deputado tucano informou ainda, que o bloco governista permaneceu reunido por mais de duas horas, antes de colocar o pedido do MP em votação. “Eles analisaram que uma liberação  poderia significar uma segunda eleição que me dariam de bandeja. Apesar da pressão do governador, a base de governo foi mais centrada. A tese deles é que uma condenação a esta altura me tornaria uma vítima da perseguição petista”, enfatiza Rocha.

Da redação, com ac24horas

Comentários