Desembargadora concede benefício da cela especial para 4 indiciados na G-7

A desembargadora Denise Bonfim deferiu 4 pedidos de solicitação de cela especial para envolvidos no escândalo das fraudes em licitações públicas, identificados na Operação G-7.

Vão usufruir do benefício o secretário de Obras Públicas, Wolvenar Camargo, o diretor de Análises Clínicas, Thiago Paiva, e os empresários Sérgio Nakamura e Marcelo Sanchez.

O empresário Narciso Mendes Júnior e o diretor-presidente do Depasa, Gildo César, tiveram o benefício negado pela desembargadora Denise Bonfim. De César porque não há respaldo legal para ser beneficiado: ele argumentou ser secretário de Estado, mas o entendimento da relatora foi diferente. Narciso Júnior teve o benefício negado porque não comprovou ser engenheiro e advogado.

O Ministério Público, por meio do procurador Osvaldo D’Albuquerque, entendeu que o empresário teria direito ao benefício da cela especial. Mas, a relatora do processo, desembargadora Denise Bonfim, teve outra interpretação.

Revogação das prisões – O Ministério Público do Acre deu parecer desfavorável a nove pedidos de revogação de prisão temporária feitos pela representação dos indiciados na Operação G-7. Outros quatro pedidos já chegaram ao MP para avaliação.
Os pedidos foram analisados pela procuradora de Justiça Gilcely Evangelista de Araújo Souza”.

O MP diz ainda que o procurador Osvaldo D’Albuquerque deu parecer desvaforável ao indiciado Marcelo Sanchez Menezes. Na terça-feira, de acordo com o MP, a procuradora Gilcely Evangelista, iniciou a análise dos pedidos de revogação de prisão de Narciso Mendes de Assis Júnior, Aurélio Silva da Cruz, Carlos Afonso Cipriano dos Santos e Assurbanipal Barbary de Mesquita.

ITAAN ARRUDA – A GAZETA

Comentários