Filho de médico é o único acreano a ser aprovado no Revalida 2012

O Revalida tem o apoio do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC).

Juan Miguel Lima Calderón, com o pai, Jaime Calderón, médico renomado na medicina acreana
Juan Miguel Lima Calderón, com o pai, Jaime Calderón, médico renomado na medicina acreana

Juan Miguel Lima Calderón, filho do Dr. Jaime Calderón, foi o único acriano a passar no Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida) de 2012.

Para conseguir a aprovação e garantir o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM), Juan disse que precisou estudar muito, além dos seis anos de graduação na Bolívia.
“Tive que abrir mão do convívio dos amigos e da família para estudar bastante para mostrar que estava apto. Agora, minha meta é a residência”, falou o médico que acertou mais de 70% das provas escrita e prática.

Ele disse que o esforço valeu a pena e lamenta que outros colegas de turma não tenham conseguido a aprovação. “A prova tem um nível muito elevado, por isso é preciso muito esforço”, detalhou.

Ele disse que além da longa jornada de estudos é preciso passar por vários tramites burocráticos para garantir a participação na prova, entre eles à apresentação do diploma da instituição de ensino superior validado pelo ministério da educação do país de origem, encaminhar os documentos para o Ministério das Relações Exteriores, para o Consulado do Brasil e realizar a tradução de todos os documentos.

Para ser avaliado, Juan precisou passar pela prova escrita aplicada na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e pela prova prática em Brasília.

O Revalida tem o apoio do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC). A prova tem o objetivo de verificar se o formando de universidade estrangeira possui o mesmo nível de conhecimento que o oferecido nas instituições de ensino superior do Brasil.

Comentários