Garoto de 15 anos formula nova teoria de formação das galáxias e publica na ‘Nature’

Image credit: NASA/JPL-Caltech/UCLA
Image credit: NASA/JPL-Caltech/UCLA

O estudo que foi destaque de capa da revista Nature esta semana traz uma série de fatos fascinantes. A maioria deles é de caráter científico: os pesquisadores descobriram que metade das galáxias-satélites que estão “no entorno” (em distâncias que variam de 100 a 1.300 anos-luz) da grande galáxia de Andrômeda estão alinhadas num mesmo plano orbital e giram em torno de seus próprios eixos com uma velocidade “sintonizada” com a de Andrômeda … ou seja, são estruturas que fazem parte de um conjunto e estão conectadas de alguma forma; o que contraria as teorias atuais sobre formação de galáxias.

Andrômeda está a 2,5 milhões de anos-luz de nós e é a galáxia gigante mais próxima da Via Láctea (a nossa própria galáxia), o que permite estudá-la em grande detalhe. A foto acima, divulgada em fevereiro de 2010 pela Nasa, mostra a galáxia no espectro infravermelho, em que azul representa a luz de estrelas mais velhas e vermelho, amarelo e laranja representam estrelas mais jovens e recém-nascidas. Dá para ver também na imagem algumas das galáxias-satélites menores no entorno dela.

(Uma outra imagem bem bacana de Andrômeda, em luz visível, pode ser vista neste link)

Neil Ibata desenvolveu um programa de computador que descobriu que as galáxias-satélites giram de forma sincronizada com a galáxia de Andrômeda
Neil Ibata desenvolveu um programa de computador que descobriu que as galáxias-satélites giram de forma sincronizada com a galáxia de Andrômeda

Outro fato curioso sobre o trabalho é um “fato-satélite”, de caráter mais pessoal, divulgado hoje pelo jornal francês Le Figaro: Neil Ibata, um dos co-autores do trabalho, tem apenas 15 anos e é o filho do autor principal, Rodrigo Ibata, do Observatório Astronômico de Estrasburgo, na França (que, apesar do nome português, não é brasileiro). Provavelmente um dos “cientistas” mais jovens da história a assinar um trabalho na Nature — uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo, na qual foi publicada, por exemplo, o estudo de Watson e Crick que revelou a estrutura de dupla hélice do DNA, o sequenciamento do genoma humano e coisas desse tipo (apenas dois exemplos da biologia que eu tenho na ponta da língua).

A reportagem do Le Figaro conta que o jovem Neil foi o primeiro a detectar que as galáxias rodavam em velocidades sincronizadas, aoós rodar os dados coletados pelo pai em um programa de computador que ele desenvolveu. Rodou para lá, rodou para cá, e acabou na Nature. Imagine só! … Ele assina o trabalho como “pesquisador” da sua escola, o Liceu Internacional de Pontonnier. Nada mal para um garoto de 15 anos! Esse tem estrela, com certeza.

O Estado

Comentários