Gladson Cameli busca recursos para revitalização total de ponte na fronteira do Acre

Ponte José Augusto que liga Brasiléia à Epitaciolândia – Foto: Alexandre Lima
Alexandre Lima

O senador acreano Progressista, Gladson Cameli, soube através de redes sociais e matérias jornalistas, dos problemas relacionados a ponte que liga duas cidades do Acre (Brasiléia e Epitaciolândia), além de ser a principal ligação da BR 317 que dá acesso a transpacífico, no país vizinho, o Peru, principal rota de exportação.

A ponte em questão, seria a que foi construída em ferro na década de 1980, batizada de José Augusto, época da gestão ex-governador Nabor Júnior e desde então, passou a ligar os municípios da fronteira ajudando no desenvolvimento. Consequentemente, foi a vez da ponte binacional Wilson Pinheiro de mão única, ligando Brasiléia à Cobija (Bolívia) em 2004 e depois, a de mão dupla na cidade de Assis Brasil em 2006, concretizando de vez a ligação do Brasil ao Peru.

Passados as décadas, a ponte José Augusto foi se deteriorando uma vez que o fluxo de veículos aumentou para uma mão única. Veículos de grande, médio e pequeno porte dividem o tráfego constante e como consequência, sem uma manutenção constante.

Passado os anos, a ponte metálica se tornou palco de reclamações em vários aspectos, seguidos de acidentes e quase foi incendiada. Foi quando Estado do Acre, através do Deracre, resolveu fazer um recapeamento asfáltico na via principal e nas passarelas, que durou por cerca de um ano.

Senador Gladson Cameli – Foto: Divulgação

No final de outubro passado de 2017, os problemas começaram e as reivindicações por parte dos moradores das cidades da fronteira volta a ser pauta, chegando na Assembleia Legislativa do Acre pelos deputados Antonio Pedro, Eliane Sinhasique e no Senado Federal em Brasília, pelo senador acreano Gladson Cameli.

Por telefone à redação do jornal oaltoacre, Gladson comunicou que já está buscando recursos para serem investidos na ponte José Augusto, destacando que a mesma é um principal elo do Brasil com o Peru e não pode ficar abandonada, atrapalhando o desenvolvimento de municípios da região do Alto Acre.

“Estou acertando com o Dnit através de meu gabinete, para que seja realizado um trabalho de revitalização dessa ponte que liga Brasiléia e Epitaciolândia. Já estamos finalizando a questão dos recursos e o projeto irá deixar essa ponte como nova”, disse o senador.

 

Comentários