Gonzaga pede CPI para investigar onde foi parar dinheiro público investido na Peixes da Amazônia

Deputado Luiz Gonzaga cobrou duramente esclarecimentos por parte do Governo /Foto: Reprodução

O líder do PSDB na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), Luiz Gonzaga, afirmou durante a sessão desta terça-feira (10) que protocolará requerimento solicitando a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para que se investigue onde foi parar os recursos financeiros aplicados nas Empresas Público-Privadas (EPP)como Peixes da Amazônia S/A, que demonstram sinais de falência mesmo tendo recebido aportes milionários de dinheiro público.

Gonzaga afirmou que é preciso que se investigue onde foi parar o dinheiro aplicado nas EPPs e quem são os responsáveis pelas falências e, respectivamente, pelo sumiço do dinheiro.

“Tem muito dinheiro público investido nessas empresas para que simplesmente sumam com isso dizendo que as empresas faliram. Queremos um levantamento, uma investigação, pois são altos valores de recursos públicos que saíram dos cofres públicos. Se decidiram investir dinheiro público e deu errado, como estamos vendo que deu, alguém precisa se responsabilizar por isso”, diz.

O tucano citou como exemplo de falência a empresa Peixes da Amazônia S/A que durante um processo jurídico usou como justificativa de inadimplência possuir apenas R$ 5 mil em suas contas.

“Eles, do governo, disseram que essas empresas seriam a salvação da economia acreana e investiram milhões de reais nisso, mas se mostrou ser um modelo econômico insustentável e agora eu pergunto quem se responsabiliza por isso? Eles não podem investir dinheiro público em empresas, falirem e ficar por isso mesmo”, diz.

O deputado lembrou, ainda, que o dinheiro investido nas EPPs são frutos de empréstimos que, segundo ele, comprometem as futuras gerações de acreanos.

“Cansamos de ver essa casa aprovar empréstimos e repactuação de empréstimos para pegar o dinheiro e usar em projetos que naufragam. O pior de tudo é saber que as gerações futuras estão endividas”, diz.

Comentários