Governo investe R$ 12,5 milhões em centros de atendimento psicossocial para combater o crack

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em parceria com o governo federal, o governo do Acre está investindo R$ 12,5 milhões na construção de dois Centros de Atenção Psicossocial (Caps) – um em Rio Branco e o outro em Brasileia -, além de reformar os centros da capital e de Cruzeiro do Sul. A ação está de acordo com o Plano Estadual de Enfraquecimento do Crack e outras Drogas, construído de forma participativa com a sociedade civil organizada e o poder público.

O combate ao crack e outras drogas no Estado tem avançado, e uma rede de atenção psicossocial foi criada com foco no enfraquecimento do uso de drogas. A gerente de assistência técnica da Secretaria de Estado de Saúde, Marize Lucena, explica que, com a reforma do centro que já existe em Rio Branco, a unidade passará a funcionar 24 horas.

“Os centros são importantes porque são espaços com portas abertas para ao atendimento dos dependentes químicos, que contam com equipes de profissionais de várias áreas, todos capacitados a lidar com a situação de forma adequada e auxiliar o dependente a se livrar do vício”, disse.

Os objetivos dos centros de atenção são oferecer atendimento à população, realizar o acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho e ao lazer, exercício dos direitos civis e o fortalecimento dos laços familiares e comunitários.

A ideia do Ministério da Saúde com a expansão dos CPAS é possibilitar a organização de uma rede substitutiva ao Hospital Psiquiátrico no país. Os CAPS são serviços de saúde municipais, abertos, comunitários, que oferecem atendimento diário.


 

Entenda o papel do Centro de Atenção Psicossocial:

– prestar atendimento clínico em regime de atenção diária, evitando as internações em hospitais psiquiátricos.

– acolher e atender as pessoas com transtornos mentais graves e persistentes, procurando preservar e fortalecer os laços sociais do usuário em seu território.

– promover a inserção social das pessoas com transtornos mentais por meio de ações intersetoriais.

– regular a porta de entrada da rede de assistência em saúde mental na sua área de atuação.

– dar suporte a atenção à saúde mental na rede básica.

– organizar a rede de atenção às pessoas com transtornos mentais nos municípios.

– articular estrategicamente a rede e a política de saúde mental num determinado território.

– promover a reinserção social do indivíduo através do acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários.

Com informações do Ministério da Saúde

Comentários