Greve da Educação divide opiniões entre governistas na Aleac

Por Rogério Wenceslau

A greve geral dos trabalhadores da educação decretada nesta quinta-feira(20) e prevista para começar na próxima terça(25), já divide opiniões entre os parlamentares da base governista na Assembleia Legislativa.

O deputado Moisés Diniz(PCdoB) prestou solidariedade aos trabalhadores da educação e reafirmou o compromisso dele com a categoria ao discursar na assembleia geral dos sindicatos realizada em frente ao palácio Rio Branco.

Mas o que ninguém esperava era uma declaração dele de apoio irrestrito à greve geral dos trabalhadores. Até o ano passado o deputado era o líder do governo na Assembleia.

“Antes como líder do governo eu vinha para abrir portas do governo para o movimento social, agora vim aqui para me colocar à disposição do Sinteac e do Sinplac para qualquer luta que eles acharem necessário”, declarou Moisés Diniz (PCdoB).

Enquanto os trabalhadores deliberavam por uma greve geral em frente ao palácio do governo, a poucos metros dali, na sessão da Assembleia Legislativa, deputados da base governista ainda defendiam a negociação para evitar a paralisação.

Diante das circunstâncias coube ao líder do governo, Astério Moreira (PEN) defender a ampliação do diálogo com os sindicatos para evitar a paralisação, e principalmente, discordar do colega Moisés Diniz, que o antecedeu na liderança do governo até o início deste ano.

“Eu acho que deveria haver mais negociação para evitar os prejuízos de alunos, dos pais, dos próprios trabalhadores da educação, porque uma greve traz prejuízos apesar de ser um direito do trabalhador”, afirmou Astério Moreira.

Comentários