Haitianos em Brasiléia vivem no céu e o inferno ao mesmo tempo

Quase 500 estão morando em uma casa com capacidade para família de até 6 pessoas

Alexandre Lima

Situação dos imigrantes quase está chegando ao caos devido a lotação na casa onde estão sendo abrigados cerca de 500 pessoas entre homens, mulheres e crianças - Fotos: Alexandre Lima
Situação dos imigrantes quase está chegando ao caos devido a lotação na casa onde estão sendo abrigados cerca de 500 pessoas entre homens, mulheres e crianças – Fotos: Alexandre Lima

A situação dos imigrantes que chegaram na cidade de Brasiléia, desde dezembro do ano passado, se pode dizer que para alguns pode até estar bom, mas para outros que moram pelas cercanias da casa que tem capacidade para uma família de 6 pessoas, a realidade não está agradando muito.

Quadra de esporte coberto próximo a casa, virou local de dormida para cerca de 40 haitianos que são alvos constantes de deliquentes na madrugada - Foto: Alexandre LIma
Quadra de esporte coberto próximo a casa, virou local de dormida para cerca de 40 haitianos que são alvos constantes de deliquentes na madrugada – Foto: Alexandre Lima

Na manhã desta quinta-feira, dia 31 de janeiro, uma proprietária de uma casa que faz fundos com a que está os haitianos, chegou no seu limite ao ter sua propriedade invadida pelo esgoto produzido pelos vizinhos imigrantes que lhe causaram prejuízos financeiros e estruturais.

Segunda a vizinha, perdeu um contrato de aluguel que deveria durar até meados do ano que vem. Se pode perceber que além da lama que invadiu o quintal, o seu poço também foi prejudicado já que a água ficou contaminada e de cor escura.

Mesmo com a complacência de alguns vizinhos, outros chegaram a assinar um baixo assinado para que fosse tomado providencias sobre a situação, além de ressarcimento financeiro junto a secretaria de direitos humanos do Acre.

Segundo Damião Borges, pessoa que representa a Secretaria na cidade e ‘cuida’ dos imigrantes, já comunicou a situação e teria pedido ajuda ao Município, através da Secretaria de Obras, para que possam juntos amenizar o caso nas redondezas.

Casa vizinha está tendo problemas estruturais e sanitários e proprietária quer resarcimento pelos prejuízos - Foto: Alexandre Lima
Casa vizinha está tendo problemas estruturais e sanitários e proprietária quer resarcimento pelos prejuízos – Foto: Alexandre Lima

A casa em que se encontram os pouco mais de 400 haitianos, se tornou um caos. O pouco espaço é divido entre sete crianças recém-nascidas e cerca de 90 mulheres. A alimentação é dividida conforme as doações feitas por empresários locais e de outras cidades que chegam em dias incertos.

Foi registrado o momento em que mais imigrantes acabava de chegar num taxi fretado, e iriam se juntar aos 34 nas últimas 24 horas. Na delegacia da Polícia Federal localizada na cidade de Epitaciolândia, foi montado uma espécie de ‘força tarefa’ para que fossem cadastrado todos os que haviam chegado nos últimos dois meses.

Segundo Damião, esse número já pode ter chegado próximo a 1000 imigrantes. Desses, 400 já conseguiram empregos principalmente nas regiões do Sul, fora àqueles que partiram por contra própria. Para a próxima semana, outros 40 irão embora já com trabalho formalizados.

Damião Borges lida diariamente com a situação dos aitianos e tentar ajudar no que pode atraves da Secretaria de direitos Humanos do Acre
Damião Borges lida diariamente com a situação dos haitianos e tentar ajudar no que pode atraves da Secretaria de Direitos Humanos do Acre

Voltando a questão da casa, Damião mostrou o próximo lugar para onde os imigrantes serão transferidos. Um clube que fechou a décadas localizado ao lado do 10º Comando da Polícia Militar, já está sendo preparado para receber todos na próxima semana. Banheiros separados, área para cozinhar e lavar roupas, já estão quase prontos.

Disse que, que não fosse a burocracia, o espaço já deveria ter sido aprontado a tempos atrás e muitos problemas solucionados. Mostrou colado na parede, uma cartolina com 10 regras escritas no dialeto haitiano, de como todos deverão se comportar quando se mudarem.

Para muitos dos moradores de Brasiléia e Epitaciolândia, a questão é delicada quando se fala desses imigrantes que estão procurando uma vida melhor. Apenas se perguntam quando essa situação irá terminar ou amenizar, mas, a resposta ainda se não tem.

Só se tem uma certeza por enquanto. Para os que estão conseguindo chegar na cidade de Brasiléia, depois de viajar por até dois meses por cerca de quatro países, estão vivendo todos os dias no paraíso e no inferno ao mesmo tempo num só dia.

Cerca de 90 mulheres e sete crianças estão dividindo espaço com 300 homens numa casa para uma familia de 6 pessoas - Fotos: Alexandre Lima
Cerca de 90 mulheres e sete crianças estão dividindo espaço com 300 homens numa casa para uma familia de 6 pessoas – Fotos: Alexandre Lima

Comentários