Hospital de Brasiléia está na UTI e Sindmed denunciará o caso a OEA

Os representantes do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) constataram em visita realizada na manhã de sexta-feira que o hospital regional de Brasiléia funciona sem equipamentos básicos para as urgências e emergências, sem raio-X, sem ventilação nas salas, sem a correta esterilização de materiais cirúrgicos, sem médicos e enfermeiros em quantidade suficiente para atender a demanda.

Centro obstétrico está com deteriorizações nas paredes e aparelhos enferrujados
Centro obstétrico está com deteriorizações nas paredes e aparelhos enferrujados

Os sindicalistas ainda constataram que o próprio Departamento de Vigilância Sanitária do Estado condena a unidade de saúde ao informar que existe o “risco de infecção do sítio cirúrgico”, mostrando ainda que o laboratório de análises clínicas precisa de interdição por necessitar de desinfecção urgente.

Para o presidente do Sindmed, José Ribamar Costa, o hospital de Brasiléia se encontra em situação de abandono e descaso por parte do poder público, comprometendo a qualidade de todo o atendimento realizado por falta de equipamentos e investimento adequado.

“A unidade de saúde está passível de interdição ética por parte do Conselho Regional de Medicina, porque a estrutura física es de equipamentos está muito comprometida. Na maternidade, o aparelho que detecta os batimentos do bebe apresenta defeito. Ele [o médico] deve ficar muito inseguro, porque ele precisa ter a certeza de que o bebe está evoluindo corretamente para o parto”, protestou o sindicalista.

No estabelecimento, todas as paredes apresentam infiltrações, as macas e outros equipamentos utilizados até na sala de parto estão enferrujados.

Com a falta de climatização, ventiladores comuns são usados para refrescar o ambiente interno, jogando bactérias e outros micro-organismos para dentro da unidade de saúde.

A falta de higiene é aparente até em bebedouros sujos e enferrujados, em macas sem lençóis e os colchões se encontram rasgados, facilitando as contaminações.

Os poucos condicionadores de ar instalados estão quebrados e muitas salas sem janelas acabam se transformando em verdadeiras saunas aos pacientes e servidores.

A falta do raio-X causou a paralisação de parte dos atendimentos do setor de ortopedia que precisa encaminhar os casos de fratura para Rio Branco.

Por falta de lugar apropriado, uma pia está servindo para armazenar ataduras que serão utilizadas.

Os pacientes estão sendo obrigados a trazer de casa lençóis para garantir o mínimo de conforto, mas até os assentos dos vasos sanitários se encontram danificados, podendo gerar mais contaminações.

As portas encardidas e sem pinturas completam um cenário que parece de abandono de um hospital que atende ainda as demandas de pacientes de Assis Brasil, Epitaciolândia e do país vizinho, Cobija.

O presidente do Sindmed informou que já levou o caso do hospital de Brasiléia ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, informando que a unidade chegou a ser interditada no início de 2012 por problemas estruturais causados pela inundação.

“O caso de Brasiléia será um entre outros que o Sindmed e a Federação Nacional dos Médicos encaminharão à Organização dos Estados Americanos com o objetivo de mostrar a situação precária do Sistema Único de Saúde”, finalizou José Ribamar.

Assessoria Sindmed

 

Comentários