Imigrantes haitianos mudam da casa para espaço maior em clube

Um simples pedaço de papelão pode se transformar em ‘colchão’ até receber documentos

Alexandre Lima

Cerca de 500 imigrantes haitianos que estão na cidade de Brasiléia (Acre), estão sendo alojado em um clube que foi adapatado para recebe-los - Foto: Alexandre Lima
Cerca de 500 imigrantes haitianos que estão na cidade de Brasiléia (Acre), estão sendo alojado em um clube que foi adapatado para recebe-los – Foto: Alexandre Lima

Os cerca de 500 haitianos que viviam praticamente amontoados numa casa que antes funcionava a secretaria de educação do Município, com capacidade para uma família de 6 pessoas e localizada na parte alta da cidade de Brasiléia (Acre), estão de mudança.

A um ano atrás, os imigrantes moravam num hotel que estava desativado no centro até serem ‘expulsos’ pela maior enchente do Rio Acre dos últimos 35 anos. Desde então, a Secretaria dos Direitos Humanos do Estado com o Governo Federal, vem tentando ajudar os que vem chegando regularmente no Brasil, a procura de uma nova vida.

Relembrando a história três anos atrás, o Haiti, país mais pobre de todos os continentes foi praticamente destruído por um terremoto onde deixou mais de 200 mil mortos, isso sem falar de décadas de ‘saques’ de suas riquezas naturais praticadas por ex-ditadores e guerras civis.

Depois de quase um ano ‘morando’ na casa, funcionários dos Direitos Humanos no Acre iniciaram a mudança dos refugiados para uma clube desativado com bastante espaço, onde recebeu algumas adaptações, além de outras que virão no futuro.

Na semana passada, se pôde registrar pequenos problemas gerados por moradores que passaram a ter prejuízos em suas propriedades que fazem vizinhança com a antiga moradia. Segundo Damião, esse problemas serão analisados e tentarão encontrar uma forma de serem resolvidos.

Por enquanto, todos ficarão juntos e misturados até seja feita uma espécie de divisão com lonas onde os homens, mulheres e crianças serão separados e poderão ter um pouco de privacidade, enquanto aguardam a liberação dos documentos provisórios e possam iniciar suas vidas em algum lugar do Brasil.

Como já foi dito antes, a cidade de Brasiléia se tornou uma espécie de ponto de chegada e partida para os imigrantes. Ao chegarem, geralmente em taxis fretados que partem da cidade de Iñapari (Peru), que faz fronteira com a cidade de Assis Brasil (Acre), dão entrada nos cadastro de pessoa física (CPF) e Carteira de Trabalho, documentos provisórios exigidos para poderem circular e trabalhar no Brasil.

 

Comentários