Jarbas Soster divulga prova que Dom Porquito reconhece dívida e pede CPI para investigar a Anac

Empresário Jarbas Soster – Foto: arquivo pessoal Gina Menezes O empresário Jarbas Soster, diretor-presidente da empresa M.S.M Industrial Pedra Norte, que move na Justiça acreana processos para receber débitos milionários...

Empresário Jarbas Soster – Foto: arquivo pessoal
Gina Menezes

O empresário Jarbas Soster, diretor-presidente da empresa M.S.M Industrial Pedra Norte, que move na Justiça acreana processos para receber débitos milionários de empresas fruto de parcerias público-privadas, como Peixes da Amazônia e Dom Porquito, voltou a desmentir o presidente desta última empresa citada.

Jarbas afirma que o empresário Paulo Santonyo está agindo de má fé para protelar pagamento da dívida e salientou, em postagem na internet, que a Agência de Negócios do Acre (Anac), que fomenta as empresas parcerias público-privadas (PPP), deveria ser submetida a análise de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) urgentemente para saber onde e de que forma o dinheiro dos acreanos está sendo investido.

Após divulgar detalhes do processo judicial e dos acordos homologados na Justiça onde a Dom Porquito reconhece a dívida, tempos antes da mesma empresa ingressar com ação judicial afirmando não ser legítimo o protesto do título feito pela Pedra Norte, Jarbas fez uma longa publicação sobre a necessidade de se saber da real saúde financeira das empresas que são financiadas com recursos públicos e que preferem usar de má fé e argumentos infundados para dar calote em fornecedor.

“A Dom Porquito descumpriu dois acordos judiciais de prazo de pagamento, sendo que o último acerto de prorrogação de prazo, fui a pedido de sua Excelência, o governador do Acre, até Xapuri em voo fretado pago pelo erário, onde aterrissamos na pista de Xapuri e de lá continuamos em veículos até a Dom Porquito e depois a casa do senhor Paulo, acionista e administrador, para um almoço com diversas pessoas dentre elas assessores do gabinete. Tivemos longa conversa com o governador e o senhor Paulo, para que concedêssemos mais prazo, já que havia vencido. Acordamos a pedido também de sua excelência e concedemos novo prazo que encerrou em final de setembro de 2017. Assim, não há de que se falar de não conhecer dos acordos firmados em conversa e posterior homologação em juízo. Responderá pela litigância de má fé.”, diz.

Jarbas também afirma que não é apenas a direção da Dom Porquito que falta com a transparência necessaria.

“A Agência de Negócios do governo do Acre tem que ser submetida a uma Comissão Parlamentar de Inquérito urgente. Precisamos saber quais os critérios usados para investir o dinheiro publico. Porque os balanços e as de demonstrações contábeis do Peixe da Amazônia não foram e não são publicados no Diário Oficial do Estado do Acre como prevê a lei das Sociedades Anônimas? Como essa empresa estava de vento em popa e do nada aparece falida? O que aconteceu com dinheiro que entrou na empresa? Por que o último diretor pediu demissão e agora dá expediente no gabinete do da Casa Civil? Pra onde foi o dinheiro apurado das vendas, já que era o melhor negócio do Acre?”, questiona o empresário.

Comentários