Jornalistas lançam manifesto contra agressões a profissionais da área

A presidente do Sindicato dos Jornalistas diz que o ato de manifesto dos jornalistas demonstra o nível de desgaste que os profissionais têm enfrentado.

Gina Menezes

Jornalistas acreanos de diferentes veículos de comunicação estarão reunidos às 8:30 horas da manhã desta quinta-feira (4), na praça da Revolução, em um manifesto que pede o fim das agressões a jornalistas e a garantia da liberdade de expressão.

A presidente do Sindicato dos Jornalistas diz que o ato de  manifesto dos jornalistas demonstra o nível de desgaste que os profissionais têm enfrentado no dia a dia e a indignação diante de agressões que têm sido feitas durante o exercício da profissão.

“Ninguém mais aguenta essa falta de respeito com jornalistas. Repudiamos qualquer tipo de agressão”, ressaltou.

O manifesto acontece dois dias depois da de claraçãoda jornalista Marcela Jansen, do site O Acreano, contando que foi agredida por um dos representantes da empresa Telexfree durante uma cobertura jornalística no salão azul da Assembleia Legislativa do Acre.

Anteriormente, outros dois jornalistas haviam declarado terem sofrido ameaças e agressões de representantes da empresa, que se sentem descontentes com as matérias jornalísticas dando ciência sobre as decisões judiciais a respeito do bloqueio da empresa.

Semanas antes, houve mais três agressões a jornalistas, todas no exercício do trabalho profissional. Antônio Messias,repórter da Rádio Feijó FM, foi agredido por uma ex-vereadora do PT por ter divulgado a data em que agressora irá a julgamento, sob acusação de ter matado o próprio marido.

Dias antes, o repórter de Feijó havia tido o carro incendiado. Os outros jornalistas agredidos foram Greyce Lima, da TV Rio Branco, e Adaílton Oliveira, da TV Gazeta, durante a realização de matéria sobre uma mulher que havia sido presa pela Polícia Militar.

O jornalista J. Guimarães, repórter da TV Rio Branco, que participou da reunião de organização do manifesto, diz que está indignado com as agressões sofridas por jornalistas e que considera que é hora de toda a categoria se unir. “É inadmissível isso. Somos pessoas batalhadoras, que saem todo o dia de casa com a missão de manter nossa sociedade bem informada”, declarou.

Os organizadores do evento convidam todos os comunicadores e acadêmicos de jornalismo para participarem do ato.

Comentários