Mãe procura por filha que saiu para procurar emprego na fronteira com a Bolívia no Carnaval e não voltou

A dona de casa Elza Costa da Silva, 63 anos esteve na tarde deste sábado (16) na delegacia da 1ª Regional (Cadeia Velha) para registrar o desaparecimento de sua filha a diarista Elicéia Costa da Silva, 32, desaparecida desde a última sexta-feira de carnaval, dia 8 de fevereiro.

De acordo com o relato de Elza Silva, sua filha saiu de casa na sexta-feira na companhia de uma mulher conhecida como “Cris”, rumo a cidade de Brasiléia, fronteira com a Bolívia, com a proposta de conseguir um trabalho, tendo afirmado que retornava no domingo (10).

Arte - ac24horas
Arte – ac24horas

Após nove dias sem ter noticias da filha, Elza Silva foi surpreendida com o retorno de “Cris”, que, de acordo com a dona de casa, apresentou três versões diferentes para o sumiço da diarista.

“Minha filha é casada e mãe de três filhos, nunca ia ficar esse tempo todo sem dar noticias. Essa mulher conhecida como ‘Cris’ já inventou três historias diferentes para justificar o sumiço da minha filha, uma das vezes ela disse que ela havia ficada presa em um hotel lá de Brasiléia porque não tinha dinheiro pra pagar a diária, mas isso é mentira pois se tivesse acontecido uma coisa dessas ela já teria entrado em contato conosco”, relatou a dona de casa.

Ainda de acordo com Elza Silva, sua filha Elicéia viajou com mais de R$ 1 mil, dinheiro suficiente para passar os dois dias previstos.

“Essa mulher está mentindo, minha filha tinha mais de R$ 1mil quando viajou pra Brasiléia. Sinceramente estou com medo que algo de muito ruim tenha acontecido com ela”, disse emocionada Elza Silva.

A irmã de Elicéia, Elzenir Costa da Silva disse ainda que entre as versões apresentadas por “Cris”, ela afirmou que Elicéia havia ficado na fronteira hospedada na casa de uma amiga chamada Raika e que estava muito bem, inclusive forneceu um número de telefone como sendo de Raika.

Familiares ligaram para a mulher indicada por “Cris” e quando perguntaram por Elicéia Silva, a suposta Raika disse que ela não estava no momento, que tinha ido para Bolívia a procura de trabalho, mas disse ainda que não queria ninguém ligando pra ela e que não queria confusão.

Na delegacia, os familiares de Elicéia Silva tentaram novo contato com Raika, mas desta vez o celular estava desligado.

“Estamos muito preocupados com desaparecimento de Elicéia, já ouvi falar muito mal dessa ‘Cris’, que é envolvida com coisa errada e temos muito medo que ela tenha feito algo de muito ruim com minha irmã”, disse Elzenir Silva.

SERVIÇO:
A família pede para quem tiver qualquer informação que leve ao paradeiro de Elicéia Costa da Silva que entre em contato com familiares através dos telefones: 9905-5935, 9902-2108 e 9957-0950.

Comentários