‘Mulas’ são presas com 4kg de cocaína colada no corpo pela PRF

Droga que estava colada na cintura das mulheres podem ser do cartel peruano - Foto: Alexandre LIma
Droga que estava colada na cintura das mulheres podem ser do cartel peruano – Foto: Alexandre LIma

Alexandre Lima, com Almir Andrade

Com o final do ano chegando, policiais rodoviários federais (PRF) estão intensificando a Operação Sentinela nas regiões de fronteira do Acre, principalmente nas que fazem vizinho com o Peru e Bolívia, e vem obtendo bons resultados.

Tatiane e Edilene irão responder por tráfico internacional de entorpecentes
Tailane e Edilene irão responder por tráfico internacional de entorpecentes

Em menos de 24 horas, três pessoas foram detidas tentando ingressar em solo brasileiro com entorpecentes. Desta vez, foram duas mulheres que se deslocaram até o lado peruano para buscar drogas e teriam como destino, a capital do Acre, Rio Branco.

Edilene Pereira de Souza Vieira e Tailane Andrade da Silva, ambas com 22 anos, retornavam do Peru de taxi. O veículo foi parado para uma vistoria de rotina no entroncamento de Xapuri pelo policiais rodoviários federais, posto distante cerca de 75 km da fronteira.

O nervosismo e a contradição nas perguntas de rotina, chamaram atenção dos policiais. A duas foram revistadas por uma policial feminina e percebeu que algo estaria na região da cintura das duas. Foi descoberto uma espécie cinta e continha algo mais.

Foi quando descobriram que Edilene e Tailane tinha entorpecentes escondidos e pesou pouco mais de 4 quilos de cloridrato de cocaína. Ambas receberam voz de prisão e foram conduzidas para a delegacia da Polícia Federal na cidade de Epitaciolândia. A dupla teria sido contratada como ‘mulas’, e receberiam uma quantia pelo transporte caso chegassem ao seu destino final.

O caso está sendo investigado e a transferência para o presídio estadual na Capital acontecerá nas próximas horas, após ser lavrado o flagrante por tráfico internacional. A pena poderá chegar a 15 anos de reclusão.

Veja a vídeo reportagem com Almir Andrade abaixo.

Comentários