Mulher acusada de arquitetar duplo latrocínio de compradores de gado é presa pela Polícia Civil

Assessoria SEPC

Policiais da Divisão de Investigações Criminais (DIC) prenderam na tarde de ontem, Irades da Silva Barros Filho, 27, a “Nega”, acusada de duplo latrocínio. Ela foi apresentada na manhã desta quarta-feira (6), na sede da DIC, como resultado da investigação que durou 90 dias.

Segundo a polícia, “Nega”, arquitetou o duplo homicídio dos compradores de gado, Fernando de Oliveira, 54, e Jean Carlos de Almeida, de 42 anos. Charles Fernando de Araújo, 28, e Jessé Oliveira Rodrigues, 29, já haviam sido presos pelo crime, ambos acusados de serem os executores do duplo homicídio.

O crime ocorreu em 8 de junho em uma propriedade rural localizada no Ramal do Mutum e de acordo com delegado responsável pelas investigações, Fabrizzio Sobreira, as vítimas foram alvos de um latrocínio (roubo seguido de morte), arquitetado por “Nega”.

Charles e Jessé foram presos preventivamente há cerca de um mês, já Irades, ciente de que iria ser presa a qualquer momento, se apresentou na Delegacia de Investigações Criminais (DIC) na tarde de ontem, terça-feira (5), esperando obter algum benefício.

“Nós passamos três meses tentando desvendar este crime, que consideramos complexo. Além deste duplo latrocínio, também é suspeita de participar de um outro crime ocorrido no município de Plácido de Castro, com o mesmo modus operandi”, disse Sobreira.

Comentários