Na 1ª fase, ‘Mais Médicos’ seleciona 41 profissionais para o Acre

Médicos contratados serão distribuídos em 10 cidades e dois Dseis.
No total, 31 médicos são estrangeiros e somente 10 brasileiros.

G1 Acre

O programa Mais Médicos, do Governo Federal, confirmou a participação de 41 médicos para o Acre. Os profissionais serão distribuídos em 10 municípios do estado e dois Distritos Sanitários Especiais Indígena (Dseis). Segundo o Ministério da Saúde, do total de médicos selecionados para o Acre, 31 são estrangeiros, enquanto dez são brasileiros.

A relação com a quantidade de profissionais que serão contratados após o encerramento do primeiro mês do programa foi divulgada nesta quarta-feira (14) na página eletrônica do órgão.
Ao todo, de acordo o Ministério da Saúde, são 1.618 profissionais confirmados, que deverão atuar em 579 municípios brasileiros  e 18 Dseis.

O grupo, ainda conforme com o órgão, é integrado por 1.096 médicos que já trabalham no país, 358 estrangeiros e 158 brasileiros que obtiveram formação no exterior.

Na região Norte, o estado do Amazonas foi contemplando com o maior número de médicos (88). Em seguida aparecem o Pará, com 44, e logo atrás o Acre, com 41.

Da necessidade de profissionais apontada pelos 3.511 municípios que aderiram ao Mais Médicos, o programa conseguiu cobrir 10,5% de 15.460 vagas nas unidades de saúde, segundo o Ministério da Saúde.

O órgão informa ainda que ‘mais de 1.096 cidades prioritárias não receberão profissionais neste momento, de um total de 2.032 que ficaram de fora’.

Segunda seleção
O Ministério da Saúde abre na próxima segunda-feira (19) as inscrições para a segunda seleção mensal pata médicos brasileiros e estrangeiros. Além disso, órgão avisa que será admitida a entrada de novos municípios no programa.

O Mais Médicos foi lançado pela presidente Dilma Rousseff no dia 8 de julho deste ano, como parte integrante de extenso acordo para melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde.

A finalidade é abreviar investimentos em infraestrutura nos hospitais e unidades de saúde além de alargar a quantidade de profissionais nas regiões mais carentes do país, priorizando municípios do interior e periferias das metrópoles.

Aos médicos que atuarem no programa, o Ministério da Saúde vai pagar bolsa federal no valor de R$ 10 mil, mais ajuda de custo, e ainda terão direito a especializar-se em Atenção Básica.

Comentários