Nível do Rio Acre já preocupa autoridades na Capital

O inverno amazônico, como é conhecida a estação chuvosa na região, tem deixado autoridades e estudiosos em alerta com relação a uma possível enchente dos rios acreanos. Pensando nisso, a Defesa Civil municipal e estadual tem traçado estratégias de contingência caso a situação de 2012 volte a acontecer. Os órgãos já têm preparado o plano de contingência, inclusive com os locais que poderão servir de abrigo e toda estrutura logística, caso seja necessário.

O nível do Rio Acre chegou a 10,43 metros na manhã desta terça-feira, 8 (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
O nível do Rio Acre chegou a 10,43 metros na manhã desta terça-feira, 8 (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

Toda a estrutura de base da Defesa Civil estadual está montada, pois os meteorologistas afirmam que pode chover ainda mais nos próximos dias, mas de acordo com os estudiosos o volume de água não deve causar muitos transtornos à população de Rio Branco, já que chove dentro da média esperada para janeiro. “Não há anormalidade nos dados levantados pelos institutos de meteorologia. As chuvas inclusive só devem se intensificar em fevereiro, que por natureza é considerado o mês mais chuvoso do ano”, afirmou o coronel João Oliveira, coordenador da Defesa Civil Estadual. O nível do Rio Acre na manhã desta terça-feira, 8, é de 10,43 metros e a cota de transbordamento é de 14 metros.

Coronel João Oliveira, coordenador da Defesa Civil estadual (Foto: Gleilson Miranda/Secom)
Coronel João Oliveira, coordenador da Defesa Civil estadual (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

O pesquisador do Departamento de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Acre (Ufac), Alejandro Duarte, disse que a probabilidade de uma enchente do Rio Acre não está descartada, haja vista o aumento do nível das águas. “Está chovendo em todo o Estado, e em Rio Branco não é diferente: o rio está subindo e as chuvas devem continuar acima da média. Ainda devemos ter entre 350 e 400 milímetros de chuva, o que significará um aumento de 20 centímetros no nível do Rio Acre nos próximos dias”, declarou. O pesquisador explica ainda que o período que compreende os meses de novembro a abril é tipicamente chuvoso e reflete o comportamento climático da região, com chuvas sazonais.

Já foram registrados 72 eventos extremos, entre seca e inundação, desde 1950 até 2010. De 1998 até agora, foram contabilizadas as primeiras reduções abaixo de 2,5 metros de profundidade. Foram 30 anos para chegar a 2,5 metros, para sete anos depois chegar a 2 metros e apenas um ano depois para chegar a 1,5 metro. Em seu auge, o Rio Acre registra 1.700 m³ de vazante d’água. Já na seca, ele já chegou a registrar apenas 50 m³.

Alejandro Duarte disse que a probabilidade de uma enchente do Rio Acre não está descartada (Foto: Angela Peres/Secom)
Alejandro Duarte disse que a probabilidade de uma enchente do Rio Acre não está descartada (Foto: Angela Peres/Secom)

O Rio Acre faz parte da Bacia Hidrográfica do Purus. Nasce em território peruano, em Madre de Díos, corre na direção oeste-leste, passa por Pando, na Bolívia, e chega ao Brasil, cortando o Acre e o Amazonas, onde desemboca na margem direita do Purus. Só no território brasileiro, o rio percorre cerca de 1.190 quilômetros, desde suas nascentes até a desembocadura.

No ano passado, um grande esquema de atendimento e socorro aos desabrigados com a enchente do Rio Acre foi desenvolvido em uma parceria dos governos municipal e estadual em conjunto com o programa Acre Solidário e a sociedade civil, inclusive com a participação voluntária de servidores públicos de todas as secretarias de governo. Alimentos, roupas e material de limpeza foram distribuídos aos que estiveram alojados no parque de exposições Marechal Castelo Branco. Com a vazante, uma megaoperação de limpeza das áreas alagadas foi desencadeada, em um esforço da Semsur, Emurb e Deracre.

Comentários