Operação G-7: Polícia Federal poderá efetuar novas prisões no Acre

A Chefe da Casa Civil do governo do Acre, Marcia Regina, informou à reportagem que não haverá cancelamento das licitações do programas Ruas do Povo.

Da Redação, com ContilNet

O superintendente da Polícia Federal no Acre, Marcelo Sávio, disse em entrevista ao Jornal do Acre, na noite deste sábado (11), que outras pessoas envolvidas na prática de cartel, no estado, poderão ser presas a qualquer momento.
Polícia Federal já prendeu 15 pessoas no Acre, acusadas da prática de cartel
Polícia Federal já prendeu 15 pessoas no Acre, acusadas da prática de cartel
De acordo com ele, a quadrilha presa nesta sexta-feira (10) estaria se organizando para fechar contratos com o programa Cidade do Povo, previsto para construir mais de dez mil unidades habitacionais na capital acreana.
“Nesta segunda fase do G-7, existe a possibilidade do envolvimento de outras pessoas, e pode acontecer novas prisões. Depois de fecharem o projeto Ruas do Povo, o cartel estava se organizando em cima do Cidade do Povo”, revela.
A Chefe da Casa Civil do governo do Acre, Marcia Regina, informou à reportagem que não haverá cancelamento das licitações do programas Ruas do Povo, e que as obras irão continuar sendo executadas pelas empresas que já estão atuando no projeto.
“Por enquanto, não houve nenhum processo licitatório condenado, nem anulado, por isso, o trabalho vai continuar sendo executados pelas empresas vencedoras das licitações”, disse.
Outro que falou sobre a operação G-7 foi o secretário de Segurança Pública do Acre, Reni Graebner. “Somos solidários a todos os secretários  enquanto não houver sentença condenatória. Conversei com o secretário Wolvenar e ele me disse que as denúncias não são procedentes”, diz Graebner.
A polícia Federal cumpriu 34 mandados de busca e apreensão, em órgãos públicos de Rio Branco e Tarauacá. 15 pessoas foram presas, acusadas da prática de cartel.
Os envolvidos deverão responder por crimes contra a ordem econômica, falsidade particular, peculato, corrupção ativa e passiva.

Comentários