Paciente morre no interior do Acre após esperar mais de 10 horas por ambulância

O paciente foi diagnosticado com um problema pulmonar grave e teria que ser transferido urgentemente para a Capital

ALAMARA BARROS

Na manhã deste sábado (20) a reportagem da ContilNet recebeu uma denúncia sobre a não prestação de um serviço digno de saúde aos moradores do município de Manoel Urbano.

A vítima dessa vez foi o jovem Rosânio Souza de Moura, de 26 anos, que nesta sexta-feira (19) por volta das 10h, passou mal e teve que ser levado às pressas até a unidade de saúde do município, onde não encontrou o suporte adequado para o seu quadro clínico avançado.

Segundo os relatos do irmão, Elho Souza, ao chegar no hospital Rosânio passou por exames realizados pelo próprio corpo de enfermagem da unidade, porque o hospital não teria a presença de médicos no momento. O paciente foi diagnosticado com um problema pulmonar grave e teria que ser transferido urgentemente para o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco. No entanto a falta de uma ambulância no local fez com que o jovem não resistisse e acabasse morrendo antes da chegada do socorro.

“Meu irmão esperou quase 15 horas pelo SAMU até que finalmente mandaram uma ambulância de Sena Madureira, mas quando chegou no km 30 o carro quebrou e tiveram que mandar outra saindo de Rio Branco, que demorou muito mais tempo. Durante esse período de espera, nem medicamento deram pra ele porque não tinha. Para piorar a situação, quando ele chegou em Sena a médica do Samu, ao perceber que o estado de saúde do paciente era crítico, disse que não iria se responsabilizar em levá-lo para Rio Branco”, desabafou o irmão.

Ainda de acordo com Elho, a única coisa que colocaram em Rosânio foi um balão de oxigênio e poucas horas depois que chegaram ao hospital de Sena, o irmão não resistiu e morreu.

Rosânio era funcionário do ex-deputado Normando Sales, e deixou a esposa e um filho de 4 anos.

Comentários