PF deflagra ‘Operação Hidra’ e executa mais de 60 mandados de prisão no Acre

pf
A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira (01/12/2016), a OPERAÇÃO HIDRA com o objetivo de desarticular facções criminosas que têm atuado no Estado do Acre. Essas facções foram responsáveis por uma série de ataques a ônibus e prédios públicos nos meses de outubro de 2015 e 2016. Recentemente, esses grupos criminosos também foram responsáveis por rebeliões no Presídio de Rio Branco/AC.

HIDRA é um animal da mitologia grega que possui várias cabeças de serpente e deu nome à operação como uma referência à forma de organização das facções investigadas, as quais contam com vários criminosos dividindo as funções de comando.

No período da investigação, foi possível constatar a participação dos membros das facções em crimes de HOMICÍDIO, TRÁFICO DE DROGAS, ASSOCIAÇÃO PARA O TRÁFICO, LATROCÍNIO, ROUBO, RECEPTAÇÃO, PORTE ILEGAL DE ARMA DE FOGO, CORRUPÇÃO ATIVA E PASSIVA, bem como o delito de INTEGRAR ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA.

Em relação ao tráfico de drogas, foram três apreensões, totalizando mais de 10 quilos de cocaína, além da descoberta de um laboratório utilizado por uma das facções para adulteração da droga.

Ademais, foram apreendidas três armas de fogo.  Dentre os crimes praticas pelos grupos criminosos, ainda podemos destacar uma tentativa de latrocínio ocorrida em uma agência do Banco do Brasil localizada no Campus da UFAC, na cidade de Rio Branco/AC e dois furtos em lojas de eletrodoméstico. Em um desses furtos, o grupo criminoso invadiu a casa de uma idosa que morava ao lado da loja e manteve-a refém enquanto os criminosos quebravam a parede da casa dela para ter acesso ao interior da loja.

Integrando uma das organizações criminosas, havia um Agente Penitenciário que facilitava a entrada de armas e aparelhos celulares no interior do Presídio. Em relação ao referido servidor, a Polícia Federal cumprirá um mandado de prisão e um mandado de busca e apreensão. Para a identificação desse Agente Penitenciário, a Polícia Federal contou com a colaboração do Instituto de Administração Penitenciária.

Além da produção de provas da materialidade e autoria dos crimes citados, ainda foi possível agir de forma preventiva evitando a consumação de diversos outros crimes. Para isso, a Polícia Federal contou com o apoio da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Polícia Rodoviária Federal e do Instituto de Administração Penitenciária.

A forma de atuação dessas facções é marcada pela violência e pelo intuito de obtenção de lucro decorrente das práticas criminosas. Os líderes dessas facções vêm recrutando adolescentes e jovens de comunidades carentes, bem como obrigam os detentos do sistema penitenciário a integrarem as facções. Essas pessoas são atraídas pela promessa de “status” no mundo do crime, proteção oferecida pelas facções e pela oportunidade de obtenção de lucro com prática de crimes.
Mais de 150 Policiais Federais cumpriram 63 mandados judiciais: 52 de prisão e 11 de busca e apreensão nas cidades de Rio Branco, Sena Madureira e Senador Guiomar.

Apoiaram as ações a Coordenação de Aviação Operacional (CAOP), a Coordenação de Operações Táticas (COT) e policiais federais de outras quatro estados brasileiros.

Com informações da Assessoria da PF

Comentários