Polícia Federal promete regularizar situação dos haitianos no Acre

A prioridade, segundo Marcelo Rezende, é intensificar a liberação dos processos dos imigrantes ilegais que já estão no país.

A Superintendência da Polícia Federal no Acre pretende iniciar até meados da próxima semana o processo de regularização dos haitianos e outros estrangeiros que atravessaram a fronteira do país nas últimas semanas e se abrigaram no estado. Devido à situação, o governo do Acre decretou estado de emergência social nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia.

Além de preparar o trabalho de regularização, o superintendente da PF no estado, Marcelo Sálvio Rezende, informou à Agência Brasil que o órgão está investigando a atuação dos responsáveis pelo tráfico de imigrantes ilegais, que teria a participação de brasileiros.

Marcelo Rezende evitou detalhar como os trabalhos têm sido conduzidos pelos policiais federais que atuam no Acre. “O combate ao crime é permanente. Estamos fazendo esse trabalho, mas não posso adiantar como é feito, para não prejudicar o andamento das investigações”, limitou-se a dizer o superintendente.

A prioridade, segundo Marcelo Rezende, é intensificar a liberação dos processos dos imigrantes ilegais que já estão no país. Marcelo Sálvio destacou que a operação está em curso com o apoio de policiais federais de Brasília que foram deslocados agora para o Acre.

A Superintendência da Polícia Federal  tem um efetivo de 200 policiais para atuar em todo o estado. Segundo Marcelo Rezende, já foi instalado um posto de atendimento em Epitaciolândia, cidade vizinha a Brasileia, para atender aos imigrantes abrigados na cidade.

Ele acrescentou que apolítica de contenção nas fronteiras é um problema que depende de definição das autoridades federais, em Brasília. A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, coordena uma reunião no Palácio do Planalto, esta tarde, com diversas autoridades federais para discutir as ações de apoio ao governo acriano em relação ao aumento do número de imigrantes e à assistência que será prestada.

O secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Nilson Mourão, confirmou que em Brasileia, maior porta de entrada de imigrantes ilegais no Acre, a Polícia Federal já desenvolve ações para restabelecer o controle de fronteira. “Agora, cabe ao governo federal montar uma política permanente para esse controle”, disse Mourão.

Brasileia faz fronteira com a cidade boliviana de Cobija. Além das duas pontes que interligam as cidades, os imigrantes ilegais têm a possibilidade de atravessar a fronteira pelo Rio Acre, que divide a fronteira do Brasil com o país vizinho. Outra rota traçada pelos imigrantes é por Epitaciolândia, que também tem fronteira com Cobija.

A rota peruana, utilizada pelos haitianos e outros imigrantes ilegais vindos do Senegal, Bangladesh, Nigéria e República Dominicana, se dá pela fronteira de Iñapari com a cidade acreana de Assis Brasil. De lá, eles seguem, geralmente de táxi, para Brasileia.

Nilson Mourão acrescentou que os policiais federais sediados no Acre têm se reunido para “traçar uma política de contenção das fronteiras”, até que o governo federal defina de que forma vai atuar.

Fonte:

Comentários