Ponte José Augusto continua fazendo vítimas na fronteira do Acre

Paulo Júnior Oliveira Damasceno (21) foi mais uma vítima, caiu com sua moto na ponte - Foto: Alexandre Lima
Paulo Júnior Oliveira Damasceno (21) foi mais uma vítima, caiu com sua moto na ponte – Foto: Alexandre Lima

Obra era pra ter sido concluída no mês de outubro de 2012

Alexandre Lima

A ponte metálica José Augusto, construída da década de 1980 e que liga os municípios de Brasiléia e Epitaciolândia na fronteira do Acre, parece um filho rebelde que não quer se consertar, causando transtornos e problemas para muita gente.

Os moradores das duas cidades, sonham com a conclusão da reforma que deveria ter terminado no mês de outubro do ano passado. Não se sabe o porquê de tanta demora e, para piorar, a empresa resolveu que deveria prender as pranchas com uma espécie de pinça, que está se transformando numa arma para quem passa por cima.

Tábuas da passarela estão faltando e colocam vídas em risco - Foto: Alexandre Lima
Tábuas da passarela estão faltando e colocam vídas em risco – Foto: Alexandre Lima

Não precisa ser um gênio para saber que, com o passar dos pneus irão se tornar uma “arma” que estão sendo afiadas todos os dias. Com as pranchas se estragando com o tempo, todo dia uma dessas se soltam deixando buracos perigosos para os motoqueiros.

Somente nessa semana, cerca de seis motoqueiros foram vítimas. O último a ser registrado no hospital de Brasiléia, foi Paulo Júnior Oliveira Damasceno (21), que caiu com sua moto por volta das 13:30 desta sexta-feira, dia 01, que teve seu braço esquerdo fraturado, além de escoriações.

Segundo foi anunciado pelo diretor do Deracre que estava na comitiva do governador em Brasiléia, Ocírodo Júnior, já existe mais uma verba para que a mesma seja concluída o mais rápido possível e os problemas sanados.

Pranchas foram podres  "presas" por pinças e estão se tornando uma lâmina - Foto: Alexandre Lima
Pranchas podres foram “presas” por pinças e estão se tornando uma lâmina – Foto: Alexandre Lima

 

Comentários