Portadores de vitiligo falam sobre preconceito: ‘achavam que eu estava com lepra’; debate sobre a doença ocorre no AC

Fotógrafo que tem a doença está organizando encontro para tirar dúvidas sobre vitiligo. Portadores relatam abandono de tratamento.

 G1
Com vitiligo desde os 17 anos, Abraão Benicio de Oliveira disse que venceu o preconceito. (Foto: Arquivo pessoal)

Aos 17 anos, surgiu uma manchinha de tonalidade diferente na mão do médico Abraão Benicio de Oliveira. Era uma mancha clara, mais tarde diagnosticada como vitiligo. Oliveira ainda não sabia, mas a doença, conhecida por causar a perda de coloração da pele, o faria passar por situações constrangedoras.

O vitiligo, explica o próprio médico, não tem uma causa para acontecer, mas é uma doença autoimune. Nesse caso, é uma luta do corpo contra o próprio corpo.

“Os melanócitos são as células responsáveis pela pigmentação da pele, pela cor do cabelo e cor dos olhos. Acontece que meu organismo de defesa enxerga o melanócito como um problema, então a defesa vai lá e destrói essas células”, explica o médico.

Apesar de uma causa específica para a doença ser desconhecida, Oliveira sugere que os portadores da doença tenham atenção redobrada nos cuidados com a pele. Além disso, há a possibilidade de tratamentos com pomadas, injeções para conter o avanço das manchas.

Preconceito

Além dos tratamentos para combater a doença, o preconceito entra para a lista como uma das lutas diárias para os portadores de vitiligo. Morando em Brasileia por tempo indeterminado, Oliveira conta sobre como sofreu por causa da doença.

“Sofri uma situação constrangedora com a minha filha quando ela tinha 4 anos. Ela queria ir para a piscina em um clube de Rio Branco e eu ia acompanhar, mas a pessoa que fez a minha avaliação para entrar na piscina não me deixou entrar porque achava que eu estava com lepra”, relembra.

Portador de vitiligo há 22 anos, o fotógrafo Marcos Vicentti, 50, disse que também passou por dificuldade ao ser diagnosticado com o vitiligo. “Tomei vários remédios para controlar. Passei por um monte de situação”, recorda.

Sobre o preconceito, Vicentti disse que muitas pessoas deixam de fazer atividades diárias, como sair de casa e estudar, por causa do prejulgamento em torno da doença. “Tem muita gente sofrendo por conta disso”, lamenta Vicentti.

Há 22 anos com vitiligo, Marcos Vicentti luta para ajudar outras pessoas com a doença. (Foto: Evandro Derze / Assis Lima)

Superação

Vicentti diz ainda que procurou tratamento de todas as formas por um tempo, mas há cerca de 10 anos optou por aceitar a doença. “Tentei de todo jeito. Tomei até remédio de Cuba que mandaram para mim, mas decidi gostar de mim primeiro para depois me importar mais com as outras pessoas”, relembra.

Há anos sem tomar qualquer medicação, Vicentti diz ainda identificar situações preconceituosas, mas sempre responde: “Eu nem te ligo”, brinca ao fazer referência a doença. Atualmente, ele já tem quase 90% do corpo coberto pela doença.

Oliveira disse que chegou a usar base para cobrir as manchas, mas também deixou de fazer tratamento para combater o avanço da doença e confirma, está bem resolvido quanto a aparência. “Às vezes estou andando na rua e ficam me olhando estranho, mas hoje não me incomodo mais com isso”, conta o médico.

Iniciativa

Após aceitar a doença, Vicentti tomou a iniciativa de ajudar outras pessoas que sofrem preconceitos por ter o mesmo problema. O fotógrafo lançou uma campanha no Facebook para organizar um grupo para dicustir sobre o assunto.

Um dos objetivos do encontro é conscientização as pessoas sobre o preconceito contra portadores de vitiligo, tirar dúvidas sobre a doença e também conversar com os portadores para alertar aos outros que a doenção não é contagiosa.

“O próprio portador de vitiligo tem que conhecer a doença para falar para os outros que essa doença não pega”, ressalta.

Na reunião, o fotógrafo pretende contar com a ajuda de profissionais para auxiliar pessoas com a doença. “Vamos marcar a reunião, que é pra ter mais opção de conversa com especialistas, psicólogo, dermatologista, entre outros”, explica.

A roda de conversa, segundo Vicentti, deve ocorrer nos próximos meses. As informações estão na página do fotógrafo no Facebook.

Comentários