Presos ficam sem monitoramento quando Estado fica sem internet

foto_14092010201948Falhas na internet e na telefonia estão prejudicando o serviço de monitoramento dos 303 detentos que passaram a usar a tornozeleira eletrônica.

Quando essas redes apresentam falhas, a empresa contratada pelo IAPEN – Instituto de Administração Penitenciária, não sabe onde estão os presos beneficiados com a tornozeleira.

Esses detentos foram beneficiados quando estavam no regime semiaberto. Eles não precisam dormir no presídio, ficam em casa monitorados por um sistema de computadores. O monitoramento é bem sucedido, até que o sinal desaparece.

Segundo o presidente do IAPEN, Dirceu Augusto, o clima da região e as constantes falhas da internet têm prejudicado o sistema, que vem sendo usado em todo Brasil. Dirceu garantiu que os equipamentos já mostraram que funcionam perfeitamente e são seguros.

A tornozeleira é resistente e pode ser molhada. Junto, o detento deve levar esse aparelho, que não pode ficar longe 15 metros da tornozeleira.

Se o preso tentar destruir o equipamento, um sinal chega a central. O problema é se for arrebentando na hora em que a internet estiver fora do ar.

Adailson Oliveira, da TV Gazeta

Comentários