Procurador-geral deu um ‘tiro no pé’, dizem petistas

As declarações do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de que o esquema do mensalão é bem maior do que se sabe levaram petistas a afirmar que o chefe do Ministério Público Federal deu “um tiro no pé”.

228258-970x600-1Em entrevista publicada ontem pela Folha, Gurgel disse que o julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal) incluiu apenas aquilo que foi possível comprovar e que há uma série de “elementos de prova” para a condenação do ex-ministro José Dirceu.

Em seu blog, Dirceu classificou como “graves” as afirmações e disse que elas “lançam a suspeita da existência de outros crimes que ele não denunciou”. Ele também usou a entrevista para reafirmar argumento usado desde o início do processo –de que “nunca houve provas” para a sua condenação.

Seu advogado, José de Oliveira Lima, foi na mesma linha: “Ele ratifica a falta de provas contra o meu cliente”.

Na entrevista, Gurgel afirmou que o Ministério Público decidiu limitar as investigações para garantir a produção de provas e evitar assim que, ao final, ninguém fosse responsabilizado.

Segundo o procurador, o julgamento mostrou que, em crimes de colarinho branco, as provas não precisam ser da mesma natureza daquelas relativas a um furto ou assassinato, por exemplo, pois isso levaria à impunidade (a tese também é defendida por ministros do STF). Nesse contexto, ele citou o caso Dirceu.

Ao condená-lo, a maioria do STF levou em consideração depoimentos contidos nos autos para concluir que ele se reunia frequentemente com Marcos Valério, operador do mensalão, e sabia dos empréstimos fraudulentos que abasteceram o esquema. Além disso, uma ex-mulher de Dirceu recebeu favores de Valério.

O secretário de Comunicação do PT, o deputado André Vargas (PR), também criticou as declarações de Gurgel.

O petista disse que “lugar de procurador falar é nos autos”. Segundo Vargas, é “especulação” a tese de que o mensalão é muito maior. “No Brasil, acabou a presunção de inocência. O que há é presunção de culpa.”

O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) falou que Gurgel deu um “tiro no pé”. “Foi uma declaração desastrada e demonstrou incompetência dele nesse caso. [Ele] teve cinco anos para fazer as acusações e deixa no ar acusações sem provas.”

Parlamentares da oposição afirmaram que as declarações demonstram “fortes indícios” do envolvimento do ex-presidente Lula.

“Ao dizer que o mensalão foi muito mais amplo, isso pode ser a senha para o envolvimento de pessoas que, até agora, não foram diretamente envolvidas, como é o caso do ex-presidente Lula”, disse o presidente do DEM, José Agripino (RN). “Os últimos fatos envolvem o ex-presidente”, afirmou o senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

Na entrevista, entretanto, Gurgel diz que na origem da denúncia não foram encontrados indícios de participação de Lula. E acrescentou que no depoimento de Valério em setembro, no qual ele acusa Lula de ter sido beneficiado pelo esquema, “há muito pouco de novo”.

Editoria de arte/Folhapress

13010971

Comentários