Projetos de extração do látex aliam renda e preservação ambiental

Borracha nativa no AC continua sendo uma das principais fontes de renda. Em Xapuri, moradores participam do processo como um todo.

Do Globo Rural

Clique na imagem para ver vídeo-reportagem
Clique na imagem para ver vídeo-reportagem

Em Xapuri, terra de Chico Mendes, a Resex Chico Mendes foi criada há 22 anos a partir de um modelo de produção que une conservação da natureza e geração de renda.

Para chegar a uma das comunidades é preciso atravessar o Rio Acre de balsa e depois percorrer 20 quilômetros em estradas de terra até o Seringal Floresta, um dos 48 da reserva.

Na comunidade Rio Branco vivem sete famílias. Uma delas é a de Raimundo da Silva Pereira, que tem 49 anos e desde os sete corta seringa.

A produção do dia é levada à sede da comunidade, chamada de ponto de recrutamento. Miro Pereira é o gerente. Ele recebe o látex nativo e mistura com amônia, que serve como conservante. De 15 em 15 dias, é tirada uma amostra para a pesagem.

Primeiro é acrescentada água boricada para eliminar a amônia e assim sentir, pelo cheiro, se o látex está bem conservado. Quanto maior o percentual de borracha na mistura, maior é o lucro do produtor.

A nova amostra vai para uma balança de precisão. Depois, cinco gramas de látex são espalhados em uma bandeja e passam por um processo de secagem. O que sobra é retirado cuidadosamente, cada centímetro é importante.

O pagamento é calculado a partir do peso da goma elástica sem a água. Um galão de 30 litros rende em média 15 quilos de borracha seca, que valem para o seringueiro R$ 117.

Da floresta para a indústria. Cem milhões de preservativos ao ano saem de Xapuri para o Ministério da Saúde, que distribui as camisinhas em campanhas de prevenção à DSTs e aids.

A capacidade elástica da borracha de seringueiras nativas é muito maior que das árvores cultivadas. Elas passam com louvor nos testes de pressão de estouro, esticam 40 vezes o próprio tamanho, mais que o dobro do exigido pelas normais de segurança.

O negócio é bom para o consumidor e para os fornecedores da matéria-prima. São 250 toneladas de borracha por ano, compradas de 700 famílias da região, que vivem na área da reserva.

Comentários