Protesto por pagamentos atrasados em madeireira podem fechar a BR 317 a qualquer momento

Funcionários queimaram pneus em frente ao portão de acesso em protesto pelo atraso de pagamentos - Fotos: Alexandre Lima
Funcionários queimaram pneus em frente ao portão de acesso em protesto pelo atraso de pagamentos – Fotos: Alexandre Lima

Alexandre Lima

O antigo projeto do Estado em fabricar tacos numa empresa onde consumiu milhares de reais dos cofres públicos, hoje é sinal de uma madeireira em decadência que acumula salários atrasados e protestos por parte dos funcionários que estão a três meses sem receber.

O Governo do Estado entrou no empreendimento por meio da Agência de Negócios do Acre (Anac), na qual possui 25% das ações. A Secretaria de Desenvolvimento Florestal, da Indústria do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), também tem participação através da viabilização dos Planos de Manejo Comunitários.

Na manhã desta terça-feira, dia 29, cerca de 50 funcionários realizaram um protesto, chegando a queimar pneus na frente do portão de acesso. Reclamam que, pelo atraso estão inadimplentes com seus credores e já estariam passando por mentirosos na agência bancária, após dizerem que haviam depositado o soldo do mês.

Funcionários ameaçam bloquear a BR 317 caso não sejam pagos os salários atrasados - Foto: Alexandre Lima
Funcionários ameaçam bloquear a BR 317 caso não sejam pagos os salários atrasados – Foto: Alexandre Lima

Alertam que, nem mesmo os direitos trabalhistas de alguns ex-funcionários não estão sendo cumpridos e não foi recolhido o 13º salário de 2012 e o FGTS, além de pagamentos referentes a horas extras trabalhadas. Fatos esses que que já foi comunicado e serão levados ao Ministério do Trabalho para que sejam investigados.

Segundo o gerente que recebeu a equipe de reportagem, Paulo Silveira, confirmou que existem algumas pendências, mas, que estariam trabalhando para sejam sanadas. Devido um problema numa das caldeiras da madeireira que é auto sustentável, estão com parte da empresa parada tendo um prejuízo de R$ 7 mil por dia.

Disse que o proprietário da empresa estaria chegando e iria se reunir com uma comissão para tratar desse assunto e tentar sanar o problema. Já por parte dos funcionários que estão no protesto, disseram que iriam comunicar à PRF que, caso não fosse solucionado o problema, irão bloquear a BR a partir de quinta-feira, dia 31.

O gerente Paulo Silveira confirmou os atrasos, mas que irão tentar encontrar uma solução - Foto: Alexandre Lima
O gerente Paulo Silveira confirmou os atrasos, mas que irão tentar encontrar uma solução – Foto: Alexandre Lima

Segundo a Agência de Notícias do Acre, o Governo do Estado, a empresa Hevea e a Cooperativa dos Produtores Florestais Comunitários (Cooperfloresta), se uniram e transformaram a Fábrica de Pisos de Xapuri em o Complexo Industrial Florestal de Xapuri, com capacidade de fabricar diversos produtos derivados da madeira como: portas, janelas, batentes, dormentes.

Com um capital de giro avaliado em quase R$ 2 milhões e mais de R$ 1 milhão investidos na compra de novos equipamentos, o Complexo de Xapuri tem capacidade de processar aproximadamente 100 mil m³ de madeira por ano, gerando mais de 200 empregos diretos e cerca de 500 indiretos.

Foto: Alexandre Lima
Foto: Alexandre Lima

Comentários