Queda da aprovação de Dilma é ‘oscilação normal’, diz Mercadante

Pesquisa mantém Dilma ‘no melhor patamar em termos de apoio popular’.
Datafolha mostra que 57% da população considera o governo bom ou ótimo.

Do G1

O ministro Aloizio Mercadante, durante audiência na Câmara dos Deputados (Foto: Antonio Cruz/ABr)
O ministro Aloizio Mercadante, durante audiência na
Câmara dos Deputados (Foto: Antonio Cruz/ABr)

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou neste domingo (9) que a queda da aprovação da presidente Dilma Rousseff averiguada pela pesquisa Datafolha é uma “oscilação normal”. O levantamento foi divulgado neste sábado pelo jornal “Folha de S. Paulo” e mostrou que a aprovação da presidente teve queda de oito pontos percentuais em relação a março.

De acordo com o Datafolha, a porcentagem da população que considera o governo de Dilma bom ou ótimo caiu de 65% em março para 57% em junho. É a primeira vez desde que a presidente assumiu o cargo, em 2011, que sua avaliação caiu acima da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mercadante faz parte da comitiva de ministros que acompanha a presidente em uma viagem a Portugal. Ele falou com a imprensa em um hotel de Lisboa para transmitir a opinião do governo sobre a pesquisa.

“Na nossa avaliação, a pesquisa mostra uma oscilação que é normal para uma pesquisa de opinião. Mantém a presidenta no melhor patamar em termos de apoio popular, em termos de intenção de voto para 2014, quando a gente compara com qualquer outro presidente nesse momento do governo, com dois anos e meio de governo”, afirmou o ministro.

Segundo o ministro, essa oscilação reflete fatos como a inflação dos alimentos, os boatos a respeito do fim do Bolsa Família que provocaram uma corrida às agências e a seca no nordeste.

Inflação
Aloizio Mercadante afirmou que “infelizmente” houve uma “campanha” em relação à alta da inflação, cujo símbolo foi o tomate. O episódio, contudo, está “totalmente superado” na visão do ministro.

“O próprio símbolo dessa campanha, que é o tomate, já está na mesa de todo brasileiro e estará até o final do ano e até o ano que vem”, disse.

“A inflação dos alimentos, do tomate, é um episódio totalmente superado. Nós estamos tendo uma super safra de alimentos esse ano”, afirmou o ministro, que destacou dados do Plano Safra, lançado na semana passada pelo governo, para afastar a possibilidade de desabastecimento.

“O Plano Safra, inclusive, aponta para uma safra de 190 milhões de toneladas, a maior da historia do Brasil. Não teremos nenhum problema de oferta de alimentos”, disse.

O ministro afirmou ainda que o governo terá um “pacote grande de investimentos” que dará “muita segurança no segundo semestre para 2014”, como as concessões de rodovias, ferrovias, portos e aeroportos que deverá ser realizadas ainda este ano.

Comentários