Saúde do Alto Acre está abandonada pelo Governo Estadual

Jovem ficou horas sem um cobertor passando frio dentro do pronto-socorro em Brasiléia - Foto: celular/cedida
Jovem ficou horas sem um cobertor passando frio dentro do pronto-socorro em Brasiléia – Foto: celular/cedida

Alexandre Lima

As promessas de uma saúde de primeiro mundo ainda não chegou na regional do Alto Acre, principalmente no Hospital Estadual Raimundo Chaar, que deveria atender os municípios de Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia e Xapuri.

O velho Raimundo, que deveria ser modelo, um ponto de apoio na saúde pública estadual, hoje se transformou num cabide de emprego disputado por um grupo político, que o vê como degrau para garantir um bom salario.

Foi preciso buscar um cobertor fora da unidade de saúde
Foi preciso buscar um cobertor fora da unidade de saúde

Isso se pode ver atualmente, onde se falta de tudo um pouco. Desde médicos que foram aptos em concursos e nunca foram chamados, ao desdém à Justiça em não cumprir ordens emitidas pelo Juiz da Comarca e o Ministério Público pedindo aquisições de remédios, veículos e mão-de-obra qualificada, entre outros benefícios.

Enquanto se espera a entrega do novo hospital no ano de 2014, véspera de eleição e com valor gasto mais do que suspeito, a população e alguns profissionais ficam a espera do cumprimento das ordens judiciais.

Nesta semana, um pai que se deslocou da zona rural com sua filha em busca de ajuda. As dores e a febre foram amenizadas graças aos remédios comprados numa farmácia próxima, ou seja, sequer um antitérmico e analgésico existia na unidade de saúde.

Para piorar, a jovem que passava frio dentro do pronto-socorro, ficou encima de uma maca sem lençol. Novamente, foi socorrida pelo pai que lhe deu um cobertor após ir buscar fora do hospital e isso lhe causou indignação.

Os profissionais que ali trabalham, se sentem impotente diante da ineficácia por parte do Estado que tenta maquiar a péssima administração política nos últimos anos. As fotos foram tiradas via celular e enviadas à redação onde mostra a indignação do pai.

Comentários