Sem alimentação adequada, paciente sofre à míngua no Hospital do Juruá

A chamada “alimentação parenteral”está em falta na unidade.

José Orleir Marques da Fonseca, 38 anos, sofre de vasculite, uma doença silenciosa e perigosa que inflama os vasos sanguíneos
José Orleir Marques da Fonseca, 38 anos, sofre de vasculite, uma doença silenciosa e perigosa que inflama os vasos sanguíneos

Um paciente portador de uma doença grave está internado há quase dois meses no Hospital do Juruá sem receber alimentação adequada. O operador de máquinas pesadas José Orleir Marques da Fonseca, 38 anos, sofre de vasculite, uma doença silenciosa e perigosa que inflama os vasos sanguíneos. Internado desde o dia 02 de janeiro de 2013 no Hospital Regional do Vale do Juruá, considerado um dos melhores hospitais do estado, Orleir já passou por duas cirurgias. Oitenta centímetros do intestino já foram retirados por causa da doença.

“Agora estou só com soro, suco natural e chá. A nutrição Parenteral acabou a quase uma semana. Sinto muita fome, além de dores”, disse o paciente.

Devido ao quadro clínico, o paciente precisa de Nutrição Parenteral, um tipo de alimentação que reduz as complicações provocadas pela deficiência nutricional e serve para complementar ou substituir a alimentação dada pela boca.

Além da falta da alimentação, o paciente reclama que já ficou quatro dias sem receber visita médica. “Ele (o médico) não vem aqui. E quando vem só olha e não fala nada”, diz revoltado.

Ex-colegas de trabalhos sensibilizados com a situação do amigo pedem ajuda. “A situação é triste. Queremos providência, ele precisa dessa alimentação”, disse Francisco das Chagas Silva.

Cada unidade da alimentação parenteral, em falta no Hospital regional do Juruá, custa em média 230 reais. O empresário Orleir Cameli afirmou que está disposto a ajudar, mas antes precisa de esclarecimentos da direção do Hospital. “Ele é ex-funcionário da minha empresa e quero ajudá-lo. Farei o que for preciso, mas preciso saber se eles vão deixar entrar a alimentação parenteral se for adquirida por mim. A situação do paciente é lamentável, se preciso for enviaremos ele para outro estado. Só queremos saber como ajudar” afirma o empresário.

De acordo o diretor clínico do hospital, Heitor Mesquita, o estado do paciente é grave. Mas não há necessidade de encaminhá-lo a hospitais de outros estados. “O procedimento que está sendo feito aqui é o mesmo que será usado em qualquer lugar do Brasil. O Hospital do Juruá dispõe do tratamento que este paciente precisa. Apenas a alimentação ficou em falta na empresa que nos fornece, mas nos próximos dois dias o problema estará resolvido”, garante.

Segundo ele, o tipo de alimentação só é disponibilizado à hospitais, terceiros não podem adquiri-la. Quanto a reclamação do paciente em não receber as visitas do médico responsável, ele garantiu que vai averiguar a situação para tomar os procedimentos cabíveis.

José Orleir Marques da Fonseca mora no Bairro do Telegrafo, em Cruzeiro do Sul. A esposa, que agora é a única provedora do lar, se reversa com a sogra para ficar com ele no hospital.

Glória Maria – Juruá On-line

Comentários