Mordendo e soprando

A política como ela é e não como deveria ser. O ritual nunca difere e o peso segue em cima do lombo do pobre.

A reforma da previdência…

…é um exemplo claro desse rito macabro, não resolve o problema do Brasil e nem dos brasileiros que realmente trabalham.

Aumentando o tempo de contribuição…

…de cálculo e do exercício da profissão a pirâmide social continuará sustentada por proletariados escravizados.

O servidor público…

…enquanto for produtivo terá visibilidade e permanecerá a maior parte da vida trabalhando. A necessidade de ancorar em algum lugar, durante a envelhece, o levará a submeter-se ao trabalho exaustivo por toda a juventude.

Tentando garantir a renda mínima…

…necessária para sobreviver ultimamente, o trabalhador se joga aos mais tortuosos serviços, sem carteira assinada, nem medidas de segurança, improvisando a vida e driblando a morte, caso contrário num breve espaço de tempo viverá nas ruas mendigando.

Hoje o servidor se aposenta…

…sequelado, mutilado física e psicologicamente. Como será após a reforma da previdência?

As filas nos hospitais…

…são crescentes, clientes pacientes à espera de tratamento nos hospitais e centros de saúde. Faltam remédios e profissionais aptos para atendimentos. No Brasil a morte sem a assistência devida tornou-se banal.

Testemunhamos o….

…racionamento da ética e do respeito ao próximo.

Os carentes…

…hoje, são tratados como estatística que gera despesas e eleitores vulneráveis, nada mais.

Falar em sistema…

…de capitalização para pessoas que mal tem o que comer é resultado da perversa natureza humana. Indecente!

 Não precisamos ir longe…

…basta olhar para Xapuri, Epitaciolândia, Brasiléia e Assis Brasil, aqui não há condições de vida digna para a maioria de seus habitantes. Sem renda fixa, como poupar na juventude para garantir a velhice tranquila?

O desemprego é crescente…

…a moeda em queda e os gestores falando na participação da sociedade em tudo o que faz. O carente é de fato, beneficiado com demagogia!

No Alto Acre…

…a zona de livre comércio (zona franca) não funciona para o pobre. Sem poder de compra no Brasil, o acreano deixa seu capital em Cobija-Bolívia elevando ainda mais a miséria em toda a região.

Comprar produtos…

…na “zona franca”, de Epitaciolândia ou Brasiléia é mais caro que comprar em Rio Branco. Tudo ilusão. O benefício do imposto reduzido não chega ao consumidor por que?

A condição do pobre…

…está perversa! A falta de proteção social, assistência à saúde, segurança, trabalho, educação e qualificação profissional que reflita em qualidade de vida é evidente da mesma forma que a omissão de incentivo consistente a indústria local.

Os delitos no Alto Acre…

…crescem fabulosamente, o desemprego agravado, o êxodo rural constante e o cinturão de miséria é crescente.

A credibilidade…

…nos políticos está zerada. Votar passou a ser sacrifício obrigatório para a população. A democracia questionável proporcionalmente a equidade. Isso porque, os conchavos e alianças tribais, determinam vida miserável aos brasileiros.

Garantias no Brasil…

…inexistem. A história construída é insustentável e tudo é previsível. Se para os ricos há privilégios, a cota de sacrifícios fica por conta do pobre.

Acorda eleitor!

Aqui pelos Altos a movimentação para as próximas eleições está em pleno vapor, precisamos de pessoas sérias. Cuidado ao escolher seus candidatos, pois há mais pilantras querendo seu voto, do que pessoas sérias.

Comentários