Conecte-se conosco

Geral

A pedido de Alan Rick, ministro da Justiça determina a permanência da Força Nacional na região da Ponta do Abunã

Publicado

em

O deputado federal Alan Rick (DEM), juntamente com o governador Gladson Cameli e o senador Márcio Bittar, reuniu-se na noite de terça-feira, 5, com o ministro da Justiça, Anderson Torres. Também participou da reunião o representante do Acre em Brasília, Ricardo França.

Alan Rick solicitou ao ministro a permanência do contingente da Força Nacional na região da Ponta do Abunã, na divisa entre Acre e Rondônia. O deslocamento da Força se deu após uma comitiva do Acre e Rondônia liderada pelo Deputado levarem ao conhecimento do ministro as invasões, ameaças de morte e destruição de patrimônio de produtores rurais na região.

“São milicianos travestidos de militantes de movimentos sociais, que invadem propriedades produtivas, ameaçando pessoas que trabalham honestamente. A presença da Força Nacional é importante para evitar que novas invasões de terras ocorram naquela localidade. Por isso solicitei ao ministro que mantenha a base nos limites do Acre, Rondônia e Amazonas”, falou Alan.

Atendendo ao pedido do deputado, o ministro determinou a permanência dos policias no local por mais 120 dias.

O grupo solicitou também que as ações nas fronteiras do Estado com o Peru e a Bolívia sejam intensificadas. “É importante para combatermos mais duramente os crimes de narcotráfico, contrabando, descaminho, roubo de carros e outros ilícitos penais que são comuns nas regiões de fronteira. A união entre as forças policiais do Acre com as nacionais darão a sensação de segurança que sociedade precisa ter”, disse Alan.

O governador Gladson Cameli frisou que “o aumento da criminalidade, as guerras de facções e o tráfico de armas está diretamente relacionado com a ação repressiva de nossas forças policiais nas fronteiras”, finalizou.

Comentários

Geral

TSE divulga cálculo para distribuição de tempo no horário eleitoral

Publicado

em

Propaganda no rádio e TV no 1º turno começa dia 26 de agosto

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou hoje (12), em Brasília, a base de cálculo para a distribuição de tempo no horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. O tempo é calculado conforme a representatividade dos partidos políticos na Câmara dos Deputados.

De acordo com a tabela, o primeiro da lista é o União Brasil, com 81 deputados federais eleitos, seguido pela Federação Brasil da Esperança (Fe Brasil), composta pelo PT (Partido dos Trabalhadores), PCdoB (Partido Comunista do Brasil) e PV (Partido Verde), que possui 70; Partido Progressista (PP) com 38; Federação PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) – Cidadania com 37; PSD (Partido Social Democrático) (35); MDB (Movimento Democrático Brasileiro) (34) e PL (Partido Liberal) (33). Na última colocação estão Avante e PSC (Partido Social Cristão), ambos com sete deputados.

Tempo de propaganda

Conforme a legislação eleitoral, 90% do tempo total de propaganda são distribuídos proporcionalmente pelo número de deputados. O restante (10%) é dividido igualitariamente.

A portaria também traz a tabela de representatividade dos partidos para a realização de debates entre os candidatos. Nesse caso, o critério é a bancada no Congresso Nacional.

A propaganda no rádio e na TV do primeiro turno começa no dia 26 de agosto e vai até 29 de setembro.

O primeiro turno será no dia 2 de outubro, quando os eleitores irão às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores, deputados federais, estaduais e distritais. Eventual segundo turno para a disputa presidencial e aos governos estaduais será em 30 de outubro.

Comentários

Continue lendo

Geral

VÍDEO: motociclista provoca acidente ao avançar sinal vermelho em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

O acidente foi registrado na tarde da última quinta-feira (11), uma câmera de segurança registrou um acidente no cruzamento próximo ao Ministério Público Estadual em Cruzeiro do Sul, quando duas motocicletas se chocaram gravemente.

As imagens mostram o momento em que um motociclista avança, aparentemente ignorando o sinal vermelho, acabando assim colidindo com outra motocicleta que trafegava pela esquerda, na Av. 17 de Novembro.

Uma testemunha ocular afirmou que uma jovem estava na garupa de uma das motos ficou desacordada, precisando ser levada ao hospital pelo SAMU.

Comentários

Continue lendo

Geral

Incêndio em igreja egípcia deixa ao menos 41 mortos

Publicado

em

Maioria são crianças que foram pisoteadas

Pelo menos 41 pessoas morreram e 45 ficaram feridas num incêndio causado por uma falha elétrica durante missa em uma igreja cristã copta na cidade egípcia de Gizé neste domingo, disseram autoridades do Egito.

O incêndio começou pouco antes das 9h (horário local), quando 5 mil pessoas se reuniam para a missa na igreja de Abu Sifin, no bairro de Imbaba, disseram duas fontes.

O fogo bloqueou a entrada da igreja, causando uma pisoteamento, disseram elas, acrescentando que a maioria dos mortos eram crianças.

“As pessoas estavam se reunindo nos terceiro e quarto andares, e vimos fumaça saindo do segundo andar. As pessoas correram para descer as escadas e começaram a cair umas sobre as outras”, disse Yasir Munir, fiel da igreja.

“Então ouvimos um estrondo e faíscas e fogo saindo da janela”, disse ele, afirmando que ele e sua filha estavam no térreo e conseguiram escapar.

Incêndios de causa elétrica desse tipo não são uma ocorrência rara no Egito; no final de 2020, um incêndio num hospital que tratava pacientes com Covid-19 matou pelo menos sete pessoas e feriu várias outras.

Em comunicado, o Ministério do Interior disse que um exame forense mostrou que o incêndio começou no ar condicionado do segundo andar da igreja como resultado de um defeito elétrico.

A inalação de fumaça foi a principal causa das mortes e ferimentos, disse. As famílias dos que morreram receberão 100 mil libras egípcias (5.223 dólares), de acordo com um comunicado do gabinete.

“Ofereço minhas sinceras condolências às famílias das vítimas inocentes que nos deixaram para estar com seu Senhor em uma de suas casas de culto”, disse o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi em um tuíte.

Comentários

Continue lendo

Em alta