A carta de Temer, que seria sigilosa, mas que vazou no Palácio do Planalto é interpretada por analistas políticos como sinal de ruptura

petecaoemendas-e1447103815392

O senador Sérgio Petecão (PSD) afirmou à ContilNet na manhã desta terça-feira (8) que encarou com naturalidade a carta do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), destinada a presidente Dilma Roussef.

Petecão disse que já imaginava que se o momento político se tornasse mais difícil como aconteceu após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), ter aceitado o pedido de abertura do processo de impeachment contra Dilma, o PMDB abandonaria o aliado de chapa.

“A tendência é eles pularem fora mesmo. Eu já esperava por isso”, declarou.

O senador acreano fez questão de ressaltar que as críticas dele ao PMDB por estar “abandonando o barco” não se estendem à executiva acreana, haja vista que o PMDB no Acre sempre foi oposição ao governo local.

“Estou preocupado é com o PMDB do Acre que nunca foi aliado do PT. É um dos partidos da oposição que nunca teve relação com o PT”, disse.

A carta de Temer, que seria sigilosa, mas que vazou no Palácio do Planalto é interpretada por analistas políticos como um claro sinal que o primeiro partido a abandonar o PT será o aliado de formação de chapa, o PMDB. Na referida carta, o vice-presidente demonstra ressentimentos de Dilma Rousseff.

Comentários