Conecte-se conosco

Extra

Acidente de trânsito em Brasiléia deixa homem ferido após ‘ser jogado’ para debaixo de caminhonete

Publicado

em

Era por volta das 7h50 desta sexta-feira, dia 1º de outubro, quando os socorristas do SAMU e agentes do 5º Cifitran, foram acionados até um acidente ocorrido na Avenida Rui Lino, próximo a ponte metálica José Augusto, em Brasiléia.

No local, havia um homem identificado como Matheus Ferreira da Silva, preso debaixo de uma caminhonete que estava estacionada, junto à moto que estava pilotando. Ainda consciente, o mesmo foi orientado por terceiros a não se mexer e aguardar a chegada dos socorristas.

Segundo foi apurado no local, o homem trafegava rumo ao seu trabalho quando teria sido “fechado” por um veículo, o fazendo ir para fora da Avenida. A vítima foi socorrida pela equipe do SAMU e conduzida ao hospital regional Raimundo Chaar, onde recebeu os primeiros socorros.

Com a chegada dos agentes de trânsito no local, não foi possível obter dados concretos do acidente, já que o suposto veículo teria se evadido do local. Somente após ser recuperar, a vitima terá de ir ao Ciretran e dar a sua versão dos fatos e tentarem identificar o motorista.

O jornalista Almir Andrade esteve no local do acidente e filmou. Veja vídeo.

 

Comentários

Extra

Cerca de 10 médicos estão com covid-19 e direção de hospital pede apoio e compreensão da população

Publicado

em

Hospital Regional do Alto Acre em Brasiléia – Foto: Alexandre Lima

Brasiléia disponibilizou dois médicos para ajudar no atendimento e Epitaciolândia está com UBS atendendo normalmente

O Hospital Regional de Brasiléia está passando por um período difícil quando o assunto é médicos disponível para atendimento. O motivo dar-se-á, pelo fato de ao menos 9 médicos testarem positivo ao vírus COVID-19. No total, são 27 médicos ativos no Hospital, os mesmos são divididos pelos setores dentro da unidade como o setor de Urgência e Emergência, Atendimento, Maternidade e outros.

Na data de ontem, dia 21, haviam 10 médicos testado positivo para o Covid, um deles retornou as suas atividades na data de hoje (22), mas, os números de profissionais ainda são muito pequenos quando se tem um hospital para atender uma regional composta por quatro municípios.

Parceria com a Prefeitura de Brasiléia

Consciente da situação, a prefeita de Brasiléia, Fernanda Hassem, através da Secretaria de Saúde, alegou que infelizmente as unidades de saúde do município não estão atendendo nos feriados, mas de pronto, destinou dois médicos para o Hospital na tentativa de reduzir a sobrecarga dos médicos que ali estão presentes.

Prefeitura de Epitaciolândia

Já o prefeito Sérgio Lopes, alegou que as unidades básicas de saúdes do município estão atendendo normalmente com os médicos locais, devido o funcionamento contínuo, não será possível ceder médicos ao Hospital.

Sobre o Hospital

De acordo com informações obtidas com a equipe da direção do hospital, nunca antes na história, a unidade teve tantos médicos afastados por motivo de doença, o que acaba lesionando o atendimento na unidade.

Cada médico tem um plantão a ser comprido em sua carga horaria, que é um total de 24 horas. Quando um médico se ausenta de seu plantão por motivos de saúde, as 24 horas deste médico deverá ser preenchida por um outro, o que acaba sobrecarregando o médico em exercício, uma vez que, além de preencher sua carga horaria, terá de preencher a carga de seu colega.

A equipe da diretoria do Hospital pede compreensão da população no atendimento e como a ajuda das prefeituras locais, referente aos pacientes com casos menos urgentes, que sejam tratadas nas unidades básicas de saúde na medida do possível conforme o protocolo.

A superlotação no Hospital Regional de Brasiléia dar-se à pelo motivo de falta de instrução dos pacientes, em relação a qual órgão se direcionar quando se está doente. Para entendimento básico, é necessário que a população conheça a diferença entre Hospital, Unidade Básica e Unidade de Pronto atendimento.

A diferença entre o Hospital, Unidades Básicas de Saúde e Unidades de Pronto Atendimento

Populares dos municípios muitas vezes não tem conhecimento sobre qual órgão procurar quando se está doente e muitas vezes, optam pelo Hospital quando na verdade deveriam procirar pela Unidade Básica de Saúde (UBS) para que, dependendo do caso, o paciente seja encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) ou para o Hospital em caso de emergência. A incerteza acaba excedendo desnecessariamente o número de atendimentos, causando demora na espera.

Por que eu demoro a ser atendido no Hospital?

Levando-se em consideração as UBS, UPA e o Hospital, cada um tem um método de atendimento ao paciente, o atendimento é rigorosamente seguido com base no “Protocolo Internacional de Manchester”, conforme é exigido pelo Ministério da Saúde (MS). O processo assegura que os pacientes não corram risco de vida da previsão de tempo para o atendimento e garante a oferta de serviço homogêneo, uma vez que há a padronização.

Após atendimento inicial na recepção, o paciente é encaminhado à triagem e são abordados as queixas e os sintomas manifestados. Aferimento de pressão e temperatura e testes de glicemia, são realizados para apurar a condição da saúde. Todos estes dados são incluídos no sistema informatizado e o próprio programa elenca a prioridade de atendimento.

Sobre a prioridade de atendimento

O atendimento dos pacientes varia de acordo com a urgência do mesmo e são separados por cores. Casos de emergências obtém a cor vermelha e necessita de atendimento imediato pelo auto risco de vida, casos categorizados como muito urgente obtém a cor laranja e também necessita de atendimento imediato por correr um risco de vida elevado, existe também a cor amarela para casos urgente para atendimento rápido com aguardo, a cor verde para casos de pouca urgência onde o paciente deve aguardar o atendimento ou o encaminhamento para outro serviço de saúde e a cor azul para casos não urgente, que segue o mesmo procedimento da cor verde com exigências inferiores.

Teste para coronavírus

Um Hospital não tem capacidade de atender uma região inteira, por isso as cores estabelecidas pelo protocolo são fundamentais para definir o destino do paciente entre a Unidade Básica de Saúde, Unidade de Pronto Atendimento, e o próprio Hospital. A recomendação deve ser seguida da seguinte forma:

Unidade Básica de Saúde (UBS)

A UBS oferece o acompanhamento necessário para o controle do seu estado de saúde, de modo que o quadro de saúde não se agrave. É fundamental que as pessoas procurem atendimento para acesso a métodos contraceptivos, acompanhamento de doenças crônicas (diabetes ou hipertensão), controle do estado de saúde, acompanhamento do pré-natal, curativos, coleta de exames laboratoriais, além de encaminhamento para especialistas e fornecimento de medicamentos gratuitos.

A Unidade Básica de Saúde é controlada pelos municípios, são popularmente conhecidas como “Posto de Saúde” e tem o objetivo de oferecer aos usuários agendamento de consultas e exames, entrega de remédios, aplicação de vacinas, atendimento psicológico e odontológico, acompanhamento de sintomas leves de gripe, tonturas, mal estar, conjuntivite, dores de cabeça, entre outros, estes sintomas se enquadram nas cores azul e verde. Quando à necessidade de atendimento emergencial, o paciente é encaminhado para UPA ou o Hospital mais próximo.

Prefeitura de Epitaciolândia comunica que UBS estão atendendo

Unidade de Pronto Atendimento (UPA)

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) deve funcionar de modo ininterrupta e atendem os casos considerados de média e alta gravidade poupando uma possível superlotação no Hospital. Nos locais são acompanhadas situações clínicas de urgência e emergência como cortes profundos, crises alérgicas, suspeita de infarto, ferimentos com febre alta, dores abdominais fortes, quedas, paradas cardiorrespiratórias, entre outros, estes sintomas se enquadram na cor laranja do “Protocolo Internacional de Manchester”.

Hospital Regional

O Hospital Regional deve receber situações de emergência que necessitam de internação, cirurgias ou exames mais complexos encaminhados pela UBS ou UPA. A estrutura também deve funcionar diariamente e nos fins de semanas (24 horas), com realização de cirurgias, acompanhamento cirúrgico, atendimento a acidentes graves de trânsito, acidente vascular cerebral (AVC), situações de pediatria, neurologia, oftalmologia, ortopedia, exames de imagem e casos de risco à vida, são situações que se enquadram nas cores laranja e vermelha.

Em dialogo com a direção do Hospital Regional de Brasiléia, foi possível concluir que muitas vezes os médicos do local acabam atendendo casos menos graves que deveriam ser destinados à Unidade Básica de Saúde (UBS) ou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), quando aparecem casos de urgência, os médicos deve obrigatoriamente seguir o protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde e automaticamente os casos de não urgência ou de pouca urgência ficam no aguardo até que os casos mais urgentes sejam solucionados.

A direção ressalta que, dos casos de pacientes que vão ao Hospital, 80% dos atendidos é categorizado como “não urgente” ou de “pouca urgência”, e que os mesmos poderiam ser direcionados para uma unidade básica de saúde uma vez que a estrutura do hospital serve para casos de urgência e emergência.

 

 

Comentários

Continue lendo

Extra

Coluna da Maria Coutinho – Covid -19 e Síndrome Gripal

Publicado

em

Covid -19 e Síndrome Gripal

O crescimento de casos de Covid-19 e Síndrome Gripal em Brasiléia vem deixando os profissionais de saúde do Hospital Regional, em alerta na tentativa de evitar o colapso do sistema.

A vacinação…

… mostrou resultados positivos quanto observado o número de óbito. Porém, não menos importante é, a necessidade de mudanças de comportamento da população, redobrando os cuidados.

O autocuidado é indispensável.

Quando o mundo parecia acalmar e o novo “normal” surgiu, veio carregado de afrouxamento do autocuidado.

Sem muita preocupação…

…, infinitas possibilidades de consagrar o momento surgiram. Os Passeios, viagens, bares, festas, aglomerações, dispensa de máscaras e álcool, vem marcando os últimos meses.

A consciência…

…crítica para o memento delicado está sendo negligenciada por muitos, assim como o crescimento do número de casos positivos em todo o Acre.

Como se já não bastasse a Covid-19…

…um surto de Síndrome Gripal vem tomando conta do Alto Acre, sobrecarregando o hospital. A queixas de sintomas de Covid e Síndrome gripal cresce na medida em que os leitos do hospital lotam.

Os atendimentos ambulatoriais…

…congestionam o sistema, além das internações. Isso mostra a necessidade de alerta das autoridades sanitárias municipais, retomando as medidas mais severas para conter o avanço da Covid e Síndrome Gripal.

A Regional de Saúde Alto Acre capacita os profissionais.

Preocupado com o aumento de casos de covid-19 e Síndrome Respiratória, a Secretaria de Saúde e Gestão do SUS, capacitam os profissionais do H.C.R.C.

Através do Núcleo de Segurança do Paciente…

…e Educação Permanente vem reunindo cuidados no atendimento padrão, medidas de segurança, higienização e esclarecimento das notas técnicas estaduais das síndromes respiratórias e covid-19.

 

 

 

Comentários

Continue lendo

Extra

Prefeitura de Epitaciolândia paga quase 600 mil em precatórios herdados de gestões anteriores

Publicado

em

A prefeitura de Epitaciolândia, através da Secretaria de Planejamento e Finanças, vem gradualmente pagando dívidas herdadas de gestões anteriores, até agora já foram pagos cerca de 600 mil reais em precatórios referentes a dívidas trabalhistas e Credores.

Desde o mês de março do ano de 2021, o prefeito Sérgio Lopes determinou que começassem a serem pagos os precatórios mesmo antes de fazer um convênio com o tribunal de Justiça e MTB para o parcelamento das dívidas, até agora foram pagos 500 mil reais referentes a ações trabalhistas e na data de hoje mais 94 mil reais a credores via Tribunal de Justiça do Acre.

O Secretário de Finanças Antônio Rocicley, ressaltou que para poder pagar essas dívidas herdadas de gestões anteriores, foi preciso fazer muita economia e assim aos poucos sanando com esses credores que há anos esperavam por uma solução.

Já o prefeito Sérgio Lopes frisou bem que, para poder pagar os precatórios a prefeitura vem cortando gastos desnecessários e aplicando o erário público de forma correta e organizada.
“Em 13 meses de gestão já pagamos quase 600 mil reais em precatórios, isso graças ao zelo e austeridade fiscal, com isso pessoas que aguardam há anos hoje estão recebendo seus precatórios, isso é bom para ambas as partes, e além disso sabemos que esse dinheiro vai circular na cidade e aquecer a economia local gerando empregos e rendas para todos. ” Destacou o prefeito.

Comentários

Continue lendo

Em alta