Conecte-se conosco

Cotidiano

Acre deixa de ser o último para ser o penúltimo no ranking de competitividade

Publicado

em

O Centro de Liderança Pública divulgou Recentemente os resultados do Ranking de Competitividade dos Estados 2021. A boa notícia é que o Acre já não é mais o lanterninha desse ranking e subiu uma posição e empurrou Roraima para o último lugar.

São Paulo segue líder e é o Estado mais competitivo do Brasil. Seguem Santa Catarina, Distrito Federal e Paraná.

Na décima edição consecutiva do Ranking de Competitividade dos Estados, a avaliação das 27 unidades federativas foi ampliada de 73 para 86 indicadores, distribuídos em dez pilares temáticos considerados fundamentais para a promoção da competitividade e melhoria da gestão pública dos estados brasileiros: Infraestrutura, Sustentabilidade Social, Segurança Pública, Educação, Solidez Fiscal, Eficiência da Máquina Pública, Capital Humano, Sustentabilidade Ambiental, Potencial de Mercado e Inovação.

Os novos indicadores foram acrescidos em três pilares específicos: Eficiência da Máquina Pública, Sustentabilidade Social e Sustentabilidade Ambiental. Neste último, o levantamento passa a avaliar indicadores como desmatamento e recuperação de áreas degradadas, enquanto a temática social leva em conta, a partir de agora, indicadores como cobertura vacinal, obesidade e desnutrição infantil. Por fim, o estudo também incorporou temáticas essenciais como equidade de gênero e de remuneração na administração pública.

Além disso, o Ranking de Competitividade dos Estados de 2021 conta com novas camadas adaptadas aos parâmetros ESG e ODS, além de dados internacionais dos países membros da OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Desta forma, se mede o tamanho do desafio dos estados sob a ótica internacional buscando-se boas práticas que possam ser aplicadas ao Brasil.

“Um fator que influenciou na oscilação das posições dos estados foi o acréscimo dos 13 indicadores no Ranking deste ano. De qualquer forma, assim como nas últimas sete edições, São Paulo segue na 1ª colocação. Do mesmo modo, Santa Catarina permanece na 2ª posição, Distrito Federal na 3ª e Paraná na 4ª”, explica o CLP.

A maioria dos estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste concentra-se na metade superior do ranking, com os estados do Norte e Nordeste ocupando posições mais baixas. Ceará é o representante do Nordeste mais bem colocado (12ª), à frente de Alagoas (13ª). E Amazonas é o representante do Norte com melhor colocação (11ª). Os três últimos colocados foram Pará, Acre e Roraima. Nesta edição, Piauí saiu das últimas posições, passando da 26ª para a 20ª colocação.

Comentários

Cotidiano

Sisu e Prouni abrem inscrições em fevereiro; Fies, em março

Publicado

em

Para concorrer aos processos seletivos, é preciso ter feito o Enem

O Ministério da Educação (MEC) divulgou hoje (18) o calendário de inscrições para os processos seletivos de ingresso ao ensino superior. Os estudantes que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) já podem se organizar para concorrer às vagas. A previsão é que os editais dos três processos seletivos sejam publicados no Diário Oficial da União ainda nesta semana.

As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) poderão ser feitas do dia 15 ao dia 18 de fevereiro. Já o prazo de inscrição para o Programa Universidade para Todos (Prouni) será de 22 a 25 de fevereiro. E, no início de março, do dia 8 ao dia 11, poderão se inscrever os candidatos ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), que este ano oferta 110.925 vagas.
O número de vagas disponíveis no Sisu e no Prouni será divulgado em breve, assim como os três editais contendo os cronogramas completos e todos os critérios dos processos seletivos de 2022.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas, exclusivamente, pela internet. A classificação é feita com base na nota obtida na edição mais recente do Enem. Pode concorrer às vagas do Fies quem fez qualquer uma das edições do Enem a partir de 2010.

Programas

O Prouni oferece bolsas de estudo, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior. Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até 1,5 salário mínimo. Para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser até 3 salários mínimos por pessoa.

Podem se inscrever no Prouni apenas estudantes brasileiros sem diploma de curso superior que tenham participado do Enem mais recente e obtido, no mínimo, 450 pontos de média das notas. Além disso, o candidato não pode ter tirado zero na redação.

O Fies tem objetivo de conceder financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC. O programa é dividido em diferentes modalidades, possibilitando juros zero a quem mais precisa e uma escala de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato.

Já o Sisu é o sistema informatizado do MEC, no qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas para estudantes participantes do Enem. Os candidatos com melhor classificação são selecionados.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Murilo chega ao Palmeiras de olho em vaga no time titular

Publicado

em

Ex-zagueiro do Locomotiv Moscow diz que pretende atuar pela esquerda

ime que está ganhando se reforça. Mesmo com a dupla de defesa mais segura do país, com Gustavo Gómez e Luan, o Palmeiras apresentou o zagueiro Murilo nesta terça-feira (18) . Contratado junto ao Lokomotiv Moscow, da Rússia, o jogador de 24 anos assinou até o fim de 2026.

Em sua apresentação oficial, Murilo elogiou os companheiros de equipe e sabe que vai ter que lutar por seu espaço dentro do elenco

“Luan e Gómez são excelentes zagueiros e fazem uma dupla que dispensa comentários. Creio que o meu diferencial pode ser por eu atuar do lado esquerdo, onde queriam um jogador para a posição e eu posso estar à disposição”, revelou.

 

 

Murilo começou sua carreira aos 13 anos de idade, no Cruzeiro, onde permaneceu até 2019. Fez parte do elenco campeão mineiro em 2018 e 2019, além de duas Copas do Brasil, em 2017 e 2018. Na Raposa, atuou ao lado de dois novos companheiros de equipe: Rony, ainda na base, e Mayke. Em 2019, foi para o futebol russo, onde conquistou a Supercopa da Rússia, no mesmo ano, e a Copa da Rússia, em 2021.

“Foi uma história muito bonita que eu pude criar lá, com títulos e aprendizado.Eu me sinto preparado, me sinto bem para poder hoje estar aqui  com a camisa do Palmeiras”.

Murilo fez 71 jogos pelo Lokomotiv Moscow, sendo 10 partidas válidas pela Champions League, e marcou 5 gols no total. O zagueiro é a quinta contratação do Palmeiras para a temporada, antes o clube já havia confirmado o goleiro Marcelo Lomba (ex-Internacional), o meio-campista colombiano Atuesta (Los Angeles FC), o atacante Rafael Navarro (ex-Botafogo) e o meio-campista Jailson, que estava livre no mercado após jogar na China.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

CNC: Brasil encerrou 2021 com recorde de endividados

Publicado

em

Economia, Moeda Real,Dinheiro, Calculadora

O nível de endividamento médio das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada hoje (18) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

De acordo com o levantamento, o último ano apresentou recorde do total de endividados, registrando uma média de 70,9% das famílias brasileiras, enquanto dezembro alcançou o patamar máximo histórico com 76,3% do total de famílias. Segundo a CNC, as famílias recorreram mais ao crédito para sustentar o consumo.

Na avaliação por faixa de renda, o endividamento médio das famílias com até 10 salários mínimos mensais aumentou 4,3 pontos percentuais (p.p), chegando 72,1% do total. Na faixa de renda superior, acima de 10 salários mínimos, o indicador aumentou ainda mais, 5,8 p.p., e fechou em 66%.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, avalia que, entre as famílias com rendimentos acima de 10 salários mínimos, a demanda represada, em especial pelo consumo de serviços, fez o endividamento aumentar ainda mais expressivamente, em especial no cartão de crédito.

“O processo de imunização da população possibilitou a flexibilização da pandemia, refletindo no aumento da circulação de pessoas nas áreas comerciais ao longo do ano, o que respondeu à retomada do consumo, principalmente de serviços”, disse Tadros, em nota.

Na comparação com 2020, das cinco regiões do país, apenas o Centro-Oeste apresentou queda do índice, 0,3 ponto percentual. O Norte registrou estabilidade, e o Sudeste se destacou com aumento de 5,9 ponto percentual (p.p.), seguido pelo Sul (+5,5 p.p.) e o Nordeste (+4,5 p.p.). Porém, considerando o total de endividados, o Sul contou com o maior percentual, aproximando-se de 82%.

Inadimplência

Na direção oposta dos indicadores de endividamento, no último ano, os números de inadimplência apresentaram queda. De acordo com a pesquisa, o percentual médio de famílias com contas e/ou dívidas em atraso diminuiu 0,3 p.p. na comparação com 2020, chegando a 25,2%.

Após iniciar 2021 em patamar superior ao observado no fim do ano anterior, o percentual mensal de inadimplência teve redução até maio, mas passou a apresentar tendência de alta desde então, alcançando 26,2% em dezembro e ficando acima da média anual.

“O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas e/ou dívidas em atraso e que, portanto, devem permanecer inadimplentes também contou com uma redução na comparação com 2020, 0,6 p.p., totalizando 10,5% dos lares no país. Os números indicam que essa parcela de consumidores apresentou movimentos diferentes ao longo do ano. Enquanto, no primeiro semestre, o indicador de inadimplência recorrente oscilou entre baixa e alta, a partir de julho passou a registrar tendência de queda, encerrando o ano em 10% do total de famílias, abaixo da média anual”, afirmou a CNC.

Para a economista da CNC responsável pela pesquisa, Izis Ferreira, os números indicam que, ainda que em condições financeiras mais acirradas, os consumidores conseguiram quitar os compromissos financeiros e evitaram incremento da inadimplência até o fim do terceiro trimestre. Nos últimos três meses do ano, no entanto, o indicador de contas em atraso aumentou, já indicando tendência de alta para o início de 2022.

“Os consumidores seguirão enfrentando os mesmos desafios financeiros da segunda metade de 2021, principalmente inflação, juros elevados e mercado de trabalho formal ainda frágil. Soma-se a isso o vencimento de despesas típicas do primeiro trimestre, que deverá apertar ainda mais os orçamentos domésticos neste período”, disse Izis.

Comentários

Continue lendo

Em alta