Acre está entre os dez Estados que têm mais motos do que automóveis

Apesar da queda nas vendas nos dois últimos anos, uso do veículo ganha espaço nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste Com CLEIDE SILVA – O Estado de S.Paulo Das 27...

Apesar da queda nas vendas nos dois últimos anos, uso do veículo ganha espaço nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste

Com CLEIDE SILVA – O Estado de S.Paulo

Das 27 unidades federativas do Brasil, 10 têm frota de motocicletas maior que a de automóveis. O grupo de Estados onde veículos de duas rodas superam os de quatro ganhou este ano a adesão da Paraíba, que, até julho, contabilizava 403,6 mil motos ante 394,4 mil carros. No ano passado, os dois tipos de veículos estavam empatados na preferência dos consumidores. Em 2003, as motos representavam 32% da frota local.

As motos também superam a frota de automóveis nos Estados do Acre, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins (na Região Norte), Ceará, Maranhão e Piauí (no Nordeste) e Mato Grosso (no Centro-Oeste), segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas (Abraciclo), com base em registros de licenciamentos do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Para a Honda, que sozinha detém 80% das vendas de motos no País, as Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste passaram a responder, neste ano, por metade dos negócios da marca. “No Sul e no Sudeste já há uma certa saturação do mercado”, diz Alexandre Cury, gerente-geral comercial da Moto Honda.

A maior participação de motos é no Maranhão, onde 67% da frota (677,6 mil unidades) é desse tipo de veículo (veja quadro). Em segundo lugar está o Piauí, com 65% (462,7 mil). São Paulo tem a maior frota em números absolutos – 4,6 milhões de motos, mas equivalente a 23% quando confrontada ao número de automóveis.

Os números do Denatran foram atualizados em julho, mas a frota divulgada pelo órgão não leva em conta a “taxa de mortalidade” (veículos que deixam de circular por vários motivos, como acidentes com perda total).

Atualmente, Norte, Nordeste e Centro-Oeste abrigam 23% da frota nacional de motocicletas e têm mais espaço para crescer, especialmente no interior. Sul e Sudeste têm situação semelhante à que ocorre com os automóveis, de substituição de frota, diz o diretor da consultoria ADK, Paulo Roberto Garbossa.

Norte e Nordeste, contudo, não estão imunes à retração das vendas verificada desde o ano passado no segmento de duas rodas, embora a queda verificada seja inferior à de outras regiões e à do próprio mercado.

Em relação a 2011, o melhor ano para o setor, as vendas totais caíram 15,6% em 2012. No Sul e no Sudeste, as quedas foram de 18,5% e 19,7%. No Norte e Nordeste, de 3,4% e 13%. O Centro-Oeste também teve redução expressiva, de 19,3%.

Segundo projeções da Abraciclo, as vendas totais neste ano vão cair novamente – cerca de 6,5% -, para 1,53 milhão de unidades, o mais baixo volume desde 2006. Até setembro, a queda acumulada está em 9%.

Jegue. Em duas décadas, os negócios com motos saltaram de 67,9 mil unidades para o recorde de 1,94 milhão em 2011. O surpreendente desempenho foi creditado, em grande parte, à substituição dos jegues no Nordeste, dos cavalos nas fazendas, das bicicletas nas cidades e à popularização dos motoboys – tudo facilitado pelo crédito farto.

Em 2012, o financiamento passou a ser mais restrito em razão da alta inadimplência e causou um freio no crescimento. O segmento mais prejudicado é o de motos de até 150 cc, cujas vendas de janeiro a setembro deste ano caíram 10% ante igual período de 2012. Essa faixa corresponde a 86% dos negócios.

“Desde 2012 prevaleceu no mercado uma alta seletividade na oferta de crédito, com aprovação de apenas 20% das fichas”, informa o diretor executivo da Abraciclo, José Eduardo Gonçalves. A partir da metade do ano, também ocorreu uma retração da demanda em razão de questões macroeconômicas, como alta da inflação e receio de perder o emprego.

No Norte, Nordeste e Centro-Oeste, a modalidade de compra mais procurada é o consórcio, em parte por causa da informalidade dos trabalhadores, que não têm como comprovar renda – exigência dos bancos para a aprovação de crédito. Motos intermediárias, de até 450 cc (10% das vendas), registraram queda de 3,5% este ano, enquanto as de luxo, acima de 500 cc, aumentaram em 2,4% as vendas.

A categoria premium tem menos de 4% das vendas, mas está em alta no Brasil, o que tem atraído marcas como BMW, Ducati e MV Agusta. Elas usam estruturas das fabricantes de modelos mais populares já instaladas em Manaus (AM), como a Dafra, para montar seus produtos com peças importadas.

Comentários