Segunda fase da campanha começou na terça (1) e vai até dia 30. Estado é considerado zona livre de aftosa desde 2005.

Vacinação-Aftosa1Do G1

Para manter o status do Acre como zona livre de febre aftosa, o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), pretende vacinar 2,8 milhões de animais no estado. A segunda fase da campanha começou na terça (1) e vai até o dia 30 deste mês. O Acre é considerado livre da doença desde 2005.

A febre aftosa é uma doença infectocontagiosa que acomete bovinos, bubalinos, caprinos, ovinos e suínos causando impacto negativo na cadeia produtiva da pecuária. Para o diretor-presidente do Idaf, Ronaldo Queiroz, para manter a credibilidade do mercado, é fundamental que os produtores continuem cuidando da saúde dos animais.

“O Acre hoje tem um gado de excelência, um gado que qualquer parte do Brasil vem buscar aqui, porque sabe que é criado com qualidade”, afirma.

A primeira fase da campanha ocorreu em maio, na ocasião aproximadamente 1,5 milhão de animais com idades variando de 0 a 24 meses foram vacinados. Agora, o foco são os demais animais. A vacinação é obrigatória e os produtores rurais devem imunizar todo o rebanho de bovinos e bubalinos.

As vacinas devem ser adquiridas nas casas agropecuárias credenciadas pelo Idaf. “O produtor já está acostumado. Ele sabe que tem que ir na casa agropecuária, eles adquirem a vacina, levam o vacinador nas suas propriedades e fazem a vacinação”, finaliza.

Colaborou Oscar Xavier, da Rede Amazônica Acre.

Comentários