O empresário e deputado Roberto Dorner (PP/MT) mais uma vez tentou barrar a obra na justiça, desta vez sendo derrotado. Ele lucra quase R$ 2 milhões por mês conrando até R$ 190 pela passagem de veículos para balsa e tem o poder de, virtuyalmente, isolar o Acre com a precariedade do serviço que oferece.

Há um político que quer ser dono do Acre. Ele quer determinar o futuro de pelo menos 800 mil pessoas no Estado. É que ele tem o poder de, virtualmente, isolar o Acre do mundo. Trata-se do deputado federal pelo Mato Grosso, Roberto Dorner (PP-MT), empresário que chega faturar quase R$ e milhões por mês com a travessia das balsas no rio Madeira, no Abunã.

Pois é esse homem que agora entrou na Justiça para, com argumentos absurdos, tentar barrar a construção da ponte que acabaria com seu monopólio de transportes, uniria o Acre ao Brasil e, finalmente, acabaria com o controle privado da economia acreana e o direito de ir e vir de seu povo.

Dono de seis concessões de transporte por balsas em rodovias federais, que explora como monopólio, Roberto Dorner é um político sem expressão, mas economicamente é forte. Ele é dono de uma rede de TVs em Mato Grosso e da Rodonave, estaleiro em Porto Velho, que constróis as balsas que usa no transporte em vários pontos do país.

Mas sua galinha dos ovos de ouro é o Acre, com a balsa do Abunã. Parece impossível pensar que uma única pessoa possa deter o monopólio de acesso a uma rodovia federal, paga com impostos de todos os brasileiros. Pois ele não só tem esse poder, desde 1988, quando substituiu o Exército na operação da travessia, como ainda luta com todas as forças para impedir a ponte que seria a liberdade para o Estado.

A última derrota do empresário foi na justiça, quando ele tentou paralisar a instalação do canteiro de obras sob alegações de falta de estudos técnicos. Antes, ele liderou o boicote à obra, que deveria ter começado a ser feita ainda em 2008. Com isso, conseguiu estender seui domínio na região por mais uma década e pode completar 30 anos de virtual controle de acesso á Amazônia Ocidental.

Dorner também estaria por trás de boatos que dariam conta que a presidenta Dilma havia cancelado as verbas para obre, que foram desmentidos categoricamente pelo senador Jorge Viana. O empresário usa a força econômica e política de seus meios de comunicação e empresas para forçar adiamentos, questionamentos e para lançar uma campanha insidiosa contra a obra.

Essa campanha, na verdade, se vira contra o Acre. O senador Jorge Viana chegou a pedir ao ministério dos Transportes o afastamento imediato da empresa do deputado do monopólio dos transportes, alegando, com razão, que o serviço cobra tarifas extorsivas com um serviço precário, sem qualquer segurança. Mas a melhor resposta  a essa tentativa de boicote ao Acre é a união de seu povo e dos políticos de todos os partidos em defesa da imadiata continuidade das obas da Ponte do Abunã.


A Tribuna

Comentários