Em um comparativo de 2015 com o ano de 2018 a redução nos casos de gravidez na adolescência alcançou mais de 40% no estado do Acre e segundo o Ministério da Saúde (MS), foi a maior redução emergencial da América Latina.

Em 2015, foram notificados 4.520 casos de gravidez na adolescência, já no ano de 2018 foram notificados 2.800 casos. Nos últimos quatro anos, os números estão sendo reduzidos gradativamente, em 2016 foram 4.075 casos, já em 2017 foram 4.009 notificações. Em um comparativo de 2017 a 2018 a redução foi de aproximadamente 30%.

Essa redução influi diretamente em setores como saúde, educação e meio social. Com a instrução adequada os jovens se previnem e evitam situações que possam ser danosas à sua saúde e que interfiram diretamente no seu pleno desenvolvimento. Considerando que esses dados contribuem para a redução de casos de partos prematuros, gravidez de risco, defasagem nas escolas.

Parte dessa redução se deve principalmente a ações educativas promovidas como por exemplo pelo o projeto Se Liga Aí, que é focado na prevenção ao uso de álcool, drogas e gravidez na adolescência entre jovens.

Considerado uma das dez melhores práticas de prevenção entre os jovens do país, o projeto já formou mais de 300 jovens multiplicadores em Cruzeiro do Sul, Tarauacá, Sena Madureira, Brasileia, Xapuri, Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Rio Branco, Manoel Urbano e Santa Rosa do Purus.

Os jovens multiplicadores repassam seu conhecimento para outros jovens tornando-se um trabalho em rede e de efetiva atuação. “O Se Liga Aí fica permanente, capacita os órgãos aplicadores que moram no território de saúde. Ficam lá durante todo ano promovendo ações de promoções e prevenção, não só sobre a gravidez na adolescente, mas sobre violência, drogas”, explica o técnico da divisão de Saúde do Adolescente, Antônio Neto.

Antônio Neto que é o idealizador e coordenador do Projeto, destaca que seria importante transformar o projeto em uma política pública, para que possa vim recursos para se trabalhar de forma mais abrangente conscientizando cada vez mais os jovens sobre os temas.

 Texto: Fhaidy Acosta/Secom

Comentários