Agente penitenciário relata domínio de facções e ingerência do estado em presídios do Acre

O agente relatou ainda que o uso de drogas é constante dentro e fora das celas.

0

Ele diz que consumo de drogas e álcool são comuns e são os próprios presos quem ficam com as chaves das celas; direção nega

COM SALOMÃO MATOS

Um agente penitenciário que, por medida de segurança, pediu para não ter o seu nome divulgado, falou com a reportagem do jornal ContilNet e revelou que os presídios acreanos se transformaram em uma verdadeira sucursal do inverno, onde não há qualquer controle ou domínio por parte dos agentes penitenciários ou da própria direção do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen/AC).

___________________

Segundo o agente, são os próprios presos que nomeiam um dos detentos para ficar de posse das chaves das celas para que faça a contagem, leve comida e recados de suas reivindicações à direção quando necessitam.

___________________

“Em cada pavilhão existe a figura do detento que chamam de ‘faxineiro’. Esse detento é eleito por eles mesmos para ficar de posse das chaves das celas. Nós agentes não temos autorização para entrar nos pavilhões e nem que pudéssemos, seria possível fazer isso porque são apenas quatro agentes penitenciários responsáveis para cuidar de 700 presos. Ninguém é doido para entrar numa situação dessas”, lamenta.

DROGAS

O agente relatou ainda que o uso de drogas é constante dentro e fora das celas. “Por mais que a gente consiga barrar a entrada de drogas nos dias de visitas, o que é flagrado na portaria não significa nem 10% da droga que ainda consegue entrar. É uma loteria para quem leva a droga. Se der azar, a gente pega, mas sempre passa e pelo que eles consomem lá é muita droga”, relata

BEBIDAS

O agente contou também que os presos fabricam as suas próprias bebidas alcoólicas, a “Maria doida”. “Eles fermentam a comida, cascas de laranja e com uso de fios elétricos ligados à energia, eles esquentam a água e artesanalmente fazem essa bebida que chamam de Maria doida. Na última vez que nós tivemos o apoio da PM para entrar nos pavilhões, antes da copa, para fazer uma revista, encontramos mais de 600 litros dessa bebida”, conta.

DIREÇÃO NEGA TUDO

Para o diretor do Iapen/AC, Aberson Carvalho, nem tudo que foi relatado condiz com a verdade. “Até o que foi mostrado na reportagem do fantástico no mês passado é mentira”, afirmou.

“O governo tem investido na segurança dos presídios acreanos e estamos contratando mais 100 agentes penitenciários para reforçar os complexos de Sena Madureira, Tarauacá e de Cruzeiro do Sul”, garante.

Agente denuncia dificuldades de atuação em presídios da Capital/Foto: CNJ

Com relação a entrada de drogas, Aberson diz que os investimentos em equipamentos inibiu em 100% a entrada de entorpecentes para dentro dos presídios.

“Compramos um aparelho de Raio-X que detecta qualquer anormalidade que a visita possa estar trazendo. Nada passa sem ser visto e por isso mesmo temos logrado êxito na apreensão de várias pessoas tentando entrar com produtos ilícitos que seriam levado para os presos”, diz.

Sobre a comunicação dos presos, em especial od líderes de facções criminosas com o mundo exterior, Aberson, admitiu que é impossível bloquear esse tipo de informação porque as mensagens são levadas por familiares e as visitas frequentes aos detentos.

“Os nossos bloqueadores de celular funcionam 100% e a comunicação via telefone celular é impossível, mas, nós não podemos impedir que esses presos mandem recados pelos seus parentes ou suas visitas íntimas para o mundo externo. É assim que eles fazem o comando lá de dentro aqui para fora. Infelizmente não podemos proibir as visitas”, lamenta.

Quanto a figura do “faxineiro”, eleito pelos presos para ficar de posse das chaves das celas, Aberson admitiu que essa situação é absolutamente normal.

“Em todos os presídios do país existe essa figura do que eles elegeram como o faxineiro. Essa pessoa é responsável para levar recados para a direção, tipo um preso que está doente ou comunicar alguma solicitação. Não é verdade que essa pessoa fique responsável pelas chaves das celas. Isso não é verdade. Nada do que foi mostrado por exemplo naquela reportagem do Fantástico foi verdade”, disse o diretor do IAPEN.

 

Comentários

Assuntos desta notícia